Pais e namorados – por Marcelle Camargo

Maternidade Real

Oi gente!

O dia dos namorados está chegando e, não há assunto melhor para discutirmos, que o relacionamento a dois depois da chegada dos filhos. Muitos casais sonham em serem pais, porém, na prática, as coisas são mais difíceis do que imaginam. O nascimento de um bebê é um impacto enorme no relacionamento e, às vezes, causa até separação. Mesmo que a gravidez tenha sido desejada e planejada, as expectativas nem sempre correspondem à realidade das dificuldades que os pais irão enfrentar. Há vários estudos sobre o assunto e, todos eles, têm as mesmas conclusões: a chegada dos filhos aumenta os conflitos e insatisfações na vida do casal. Todos sabem da alegria que uma criança traz, mas, deve haver um processo de adaptação no casamento para evitar os desgastes da transição de ‘homem’ e ‘mulher’, para ‘pais’. Antes da criança, a dedicação era exclusiva do cônjuge e, após a chegada do filho, outras necessidades precisam ser satisfeitas como gestar, cuidar, educar, amar e passar o resto da vida alternando sentimentos de medo, prazer, frustração, gratificação, angústia, orgulho e raiva e isso demanda muita energia. O esgotamento físico e mental inibe as respostas sexuais, a falta de sono detona o humor e a capacidade de sentir prazer. Apesar disso tudo, é importante que o casal não demore muito para resgatar sua vida conjugal e sexual, deve-se haver um equilíbrio entre o papel de pais e de amantes.

Relação do casal

Colocar limites para os filhos é fundamental para que se preserve a relação a dois e o romantismo. Os pais não precisam atender a todos os desejos dos filhos em todos os momentos. Não há problemas em demonstrar que o casal deseja namorar, curtir um ao outro e investir no relacionamento. Devem se beijar na frente dos filhos e mostrar que são namorados, fazer os filhos entenderem e respeitarem a privacidade do casal. Os programas podem não ser os mesmos de antes, mas, o sentimento de um pelo outro precisa estar presente e ser demonstrado sempre que possível. Dá pra dar uma fugidinha na hora do almoço para se encontrarem, deixar o filho com alguém de confiança para irem ao cinema, teatro, exposições, esperar os filhos dormirem para namorarem muuuito. A relação dos pais é a base da família, não deve ser deixada de lado. É importante que as responsabilidades sejam divididas e, que cada um, tenha tempo para si mesmo, seja para encontrar amigos, ler um livro, fazer uma atividade física ou, simplesmente, fazer nada. Essa pausa deve ser respeitada. A falta de descanso é um dos principais vilões desse momento. É aconselhável não ceder às pressões dos familiares, vai ter muita gente querendo opinar, mas, uma conversa franca, porém, com carinho, faz com que as pessoas entendam e aprendam a respeitar esse momento que é uma novidade para todos. O casal deve reservar um momento no dia para falarem sobre si mesmos, dividirem alegrias e angústias. É essencial que tenha muito diálogo e respeito. Se vocês se escolheram para serem amantes e deu certo, por que não daria certo exercer a função de pais? Quando há amor, planejamento e fé, as coisas vão acontecendo sem a gente se dar conta. Deixe as crianças aos cuidados de alguém, coloque seu melhor vestido e uma boa trilha sonora e aproveite muito essa pessoa que você escolheu pra ser seu marido e pai dos seus filhos. Feliz dia dos (eternos) namorados!

Um abraço,

Marcelle Camargo

IMG-20140803-WA0015~2

2 comentários sobre “Pais e namorados – por Marcelle Camargo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s