Como ter mais gratidão?!

Maternidade Real

Bom dia!

Nos últimos dias eu me peguei lendo um post em um aplicativo de rede sociais em que contava que uma mãe “ensinava uma técnica dos 5 elásticos para ter mais paciência com os filhos” baseado em um estudo do The Gottman Institute, o Magic 5:1 Ratio. De acordo com o post o método do elástico funciona da seguinte forma: a pessoa coloca 5 elásticos em um pulso durante o dia e deverá chegar ao fim do dia com os elásticos no mesmo lugar. Porém, cada vez que acontecer algum contratempo com seus filhos, como por exemplo uma bronca ou ela for grosseira com eles, um elástico deve ser passado para o outro pulso. E para recuperá-lo para o pulso original será necessário que ela faça 5 coisas que ela julgar positivas para que seja restabelecido o relacionamento que ela julga ideal com o seu pequeno, por exemplo uma dança ou brincadeira que eles deverão estar juntos.

Eu como sou super interessada em assuntos maternais… risos… fui logo procurando aqui na internet coisas que relatavam sobre esse método e ele se baseia em nada mais nada menos que um  método para que se consiga mais gratidão! Sim… GRATIDÃO! Isso porque gratidão é um estado de espírito. Você precisa treinar sua mente para se colocar sempre nesse estado, pois é muito difícil ser grato a todo instante. Dessa forma, esses elásticos servem como apoio para que esse habito esteja sempre presente no dia a dia.

Aqui em casa, nós usamos um método um pouco diferente mas que o fim é o mesmo. Colocamos um elástico no pulso e sempre que fizemos qualquer coisa que julgamos errada ou temos pensamentos negativos, damos uma “chicotada” no pulso com o próprio elástico. Ao fazer isso, lembramos de agradecer o motivo pelo qual estávamos reclamando, murmurando ou fazendo atitudes que não julgamos corretas. Esses métodos são ensinados em cursos de alta performance e em cursos de PNL (Programação Neolinguística) e meu marido aprendeu em um. E servem para que você controle seu cérebro para que se consiga controlá-lo e consiga atingir seu objetivo. Meu marido me ensinou e desde então venho usando… se você ao me ver na rua com um elástico amarelo na rua (desses de prender dinheiro), não é um acessório da moda, viu!? risos… serve para me corrigir e para que eu sempre esteja em gratidão! Eu desafio você a fazer qualquer que seja o método e me contar aqui o seu relato. É difícil demais! Controlar nosso cérebro é muito difícil e precisa de muito esforço e força de vontade. Principalmente porque estamos condicionados a não agradecer pelo que temos e só enxergamos os acontecimentos “ruins”. A cada sentimento ruim que tiver lembre-se de agradecer por coisas boas que estão a sua volta. Tenho certeza de que você terá uma vida bem melhor e mais próspera. Quanto mais se agradece, mais se recebe!

Com amor,

Ana Maria.

Leia mais sobre o assunto:

https://www.gottman.com/blog/the-positive-perspective-dr-gottmans-magic-ratio/

http://www.gazetadopovo.com.br/viver-bem/comportamento/metodo-dos-cinco-elastico-ensina-maes-a-terem-mais-paciencia/

http://www.otimomesmo.com.br/como-controlar-sua-mente-rapidamente-com-um-elastico/

 

 

Livro: Criando meninas – Para pais e mães de verdade!

Maternidade Real

Bom dia!

Hoje venho com a dica de leitura do livro: Criando meninas – Para pais e mães de verdade!, do mesmo autor do Criando Meninos o Steve Biddulph.

O livro é um guia para que os pais possam compreender e orientar suas filhas desde o nascimento até a vida adulta. O autor enfatiza a importância de um relacionamento de confiança e do apoio dos pais. Ele da dicas e exemplos úteis e importantes  para que você possa ajudar sua filha a ter uma boa autoestima, confiança e a estar emocionalmente preparada para o mundo, principalmente nos dias atuais em que vivemos em uma sociedade onde o culto pelo corpo e pela beleza ainda é muito presente (o que acredito estar mudando e as pessoas estão buscando cada vez mais a saúde à beleza física). O livro mostra também que as comparações no universo das mulheres é quase inevitável e a angústia de não se sentir “boa o suficiente” aflige meninas de todas as idades, o que normalmente leva a problemas emocionais e físicos, como a depressão, os distúrbios alimentares, o bullying…

Eu particularmente tirei proveito dos dois livros tanto para o Raul quanto para a Maria Rita. Acredito que eles possuem informações valiosas para serem usados com meninos e meninas, sem restrição em relação ao sexo. Também me vi em muitos problemas que o autor cita no livro e que eu não soube agir corretamente e não tive inteligência emocional suficiente para lidar, principalmente na minha adolescência. Com a leitura desse livro também pude perceber que “erros” na educação de meninas e meninos são frequentemente encontrados, seja pela falta de conhecimento, pela falta de bom senso ou pela criação que os pais tiveram e que acreditam ser a forma correta para educar seus filhos…

Vale a pena a leitura!

Com amor,

Ana Maria.

Inteligência emocional, o segredo de viver bem.

Maternidade Real

Bom dia!

Penso que o ser mãe vive um incansável dilema ao ver seus filhos sofrerem de qualquer forma, seja emocionalmente ou fisicamente. Há quem diga que o sofrimento é inevitável… concordo, mas com ressalva de que pode ser minimizado se a pessoa tiver um controle emocional bem estabelecido. Uma das minhas maiores preocupações é a que meus filhos sejam inteligentes emocionalmente e que não passem por situações que eu já me encontrei e sei que são possíveis de serem vivenciadas de forma totalmente diferente e com uma intensidade bem menor (e mais inteligente) de serem vividas e sentidas.

Alguns dos livros que li e no curso de meditação que meu marido e eu fizemosa no passado (É… Acho que o ano passado foi o meu ano de renovação e evolução pessoal…) me apresentaram a um conceito de inteligência emocional. Segundo o psicólogo Daniel Goleman, uma pessoa emocionalmente inteligente é aquela que consegue identificar as suas emoções com mais facilidade, que apresenta a capacidade de se automotivar e seguir a diante mesmo em situações de frustração e desilusão. Entre as características da inteligência emocional está a capacidade de controlar impulsos, canalizar emoções para situações adequadas, praticar a gratidão e motivar as pessoas, além de outras qualidades que possam ajudar a encorajar outros indivíduos.

Essa nomenclatura me chamou tanto a atenção que fui lendo a respeito e me esforçando para atingir a tal Inteligência Emocional. Confesso… não é fácil! É uma habilidade que acredito que, se você não nasceu com ela, você pode perfeitamente desenvolvê-la com ajuda de muita meditação, assim você começa a ter mais controle das suas emoções e dos seus atos. Também aprendemos com o exemplo das pessoas mais próximas, como tudo na vida. O exemplo é o segredo do aprendizado. Como já dizia a boa e velha frase a qual sou adepta e que, quando dou umas “escorregadas” na educação do Raulzito, eu sempre lembro e repito como um mantra: Para educar é preciso ser... Aqui em casa tive os exemplo da minha mãe que passou por muitas coisas nada agradáveis de serem vividas e as venceu com a força de vontade, da minha avó que no ano passado enfrentou uma doença e superou-a com dignidade e sabedoria e do meu marido, que é meu exemplo e guru quando se trata de inteligência emocional!

A inteligência emocional te ajuda no seu desempenho no trabalho, na sua saúde física, na sua saúde mental e no seus relacionamentos. Penso ser esse o segredo daquelas pessoas que sempre estão bem no meio do caos… concordam!?

Pesquisem mais a respeito, leiam sobre o assunto, garanto que vão se sentir bem melhor sabendo que podem agir de uma forma diferente.

Com amor,

Ana Maria.

 Ps: Imagem destacada retirada da internet.

Sobre a gestação: primeiro trimestre concluído

Maternidade Real

Bom dia!

Passamos o primeiro trimestre lindamente! Já entrei no quarto mês da gestação. E venho com a boa notícia de que descobrimos que o Raul terá uma irmã, a Maria Rita! Nosso mundo de pais de menino terá novos prazeres e descobertas sendo pais também de uma menina. Não seria tão novidade assim pra gente, quem nos acompanha sabe que já estávamos grávidos do coração de uma menina.

Diferente da gestação do Raul, minha barriga na quinta semana de gestação já aparecia e aos dois meses minha barriga já estava tão grande que parecia que eram dois bebês ou que já estava com quatro meses de gestação. No primeiro trimestre já não pude usar mais minhas roupas, nenhuma abotoava na cintura e os elásticos já não sobiam no meu quadril. Não senti muitos enjoos, porém quando sentia eram bem maiores do que na primeira gestação. Estou tendo aversão a doces e uma vontade absurda de comer coisas gordurosas, como pastel frito de palmito e coxinha. risos… Não tive aversão a perfumes e nem a ninguém… Na gestação do Raul não podia sentir ninguém com perfume que me dava ânsia de vômito e fiquei com bastante falta de paciência com algumas pessoas. Mais uma coisa diferente foi que fiquei extremamente nervosa até as dez semanas, tudo me tirava do sério… As únicas coisas iguais foram que eu já sabia desde o princípio que era uma menina, assim como soube também que era o Raulzito da primeira vez e as espinhas no rosto, colo e pescoço…. Aff essas parecem que irão me acompanhar nessa gestação também… tudo culpa dos hormônios, né!?

Descobrimos que será a Maria Rita na décima segunda semana da gestação. Mais uma vez fizemos o ultrassom da translucência nucal com o médico super mega fera daqui de Belo Horizonte, o Dr Paulo Roberto, que dá cada detalhe minuciosamente dos exames que ele faz. Fica a dica para mamães daqui da região, vale a pena cada minuto esperado para ser atendida.

Está tudo bem com a nossa princesa! Graças a Deus!  Deus foi maravilhoso comigo em me confiar esses dois seres cheios de luz!

Com mais amor,

Ana Maria.

Pesquisa sobre fissuras do blog Divulga Fissura

Maternidade Real

Boa tarde!
Venham ver essa pesquisa incrível e de grande valia no universo das fissuras que a querida Silvana do blog Divulga Fissura vem se empenhando em fazer.
Com amor,
Ana Maria.

Divulga fissura

Resultado de imagem para breast feeding

O convite para participação na primeira etapa de minha pesquisa sobre fissuras labiopalatinas foi feito no grupo Cleft, do Facebook, e tive um ótimo acolhimento, com muitas mães e pacientes que responderam quase que imediatamente. Faço questão de apresentar aqui esses primeiros resultados, pois considero fundamental retribuir o empenho destas pessoas e mostrar, ao menos em parte, o tipo de pesquisa que desenvolvo em meu doutorado na Faculdade de Saúde Pública da USP. Ainda não estão nos resultados que aqui apresento os depoimentos de mães que fiz contato posteriormente, através da gentil colaboração da Uiara, da rede Profis, e da Ana Poças, do blog Fissurada na Maternidade. Gostaria de explicar que a pesquisa está em andamento, e isso quer dizer que todos os dias recebo novas respostas, que vou somando às anteriores. Chegará uma hora em que a coleta de dados estará finalizada, e então vou apresentar todos os resultados…

Ver o post original 617 mais palavras

#mamãefonoaudióloga: Apraxia de Fala

mamãe fonoaudióloga

Bom dia!

Já ouviram falar sobre Apraxia de Fala na infância?! Se esse nome é novo para você vem ler e entender o que significa.

Apraxia de fala é uma desordem na parte motora da fala,  que tem como característica uma dificuldade de programação e de planejamento das sequências dos movimentos motores da fala, resultando em erros de produção dos sons. Ou seja, o cérebro apresenta uma certa dificuldade em comandar a musculatura que nós precisamos para falar, como por exemplo para movimentar a mandíbula, a maxila e a língua. É interessante ressaltar que a Apraxia é uma alteração relativamente rara, não são todas crianças com atraso na fala que recebem o diagnóstico de Apraxia. Para que se chegue ao diagnóstico é necessário que um fonoaudiólogo avalie a criança.

Quando devo então procurar um fonoaudiólogo?! Se o seu pequeno é bem quietinho e não vocaliza muitos sons, tem um repertório limitado de sons, apresenta uma grande alteração na fala ou tem uma fala bem difícil de se compreender ou tem dias que é mais compreendida e dias em que não se consegue entender nada do que se fala, apresenta muitas pausas para falar, apresenta uma fala monótoma sem muita entonação, está apresentando algumas outras dificuldades como ao se vestir, escovar os dentes, fazer coisas que são mais minuciosas como pegar no lápis etc… é interessante que se procure por auxílio.

Muitas vezes é difícil de se chegar ao diagnóstico precoce, principalmente em crianças menores de dois anos de idade, devido ao fato de não compreenderem as instruções específicas para o diagnóstico. Porém a intervenção precoce é importantíssima para se conseguir um melhor desempenho nas terapias e na resolução do quadro clínico.

Portanto, mamães e papais… o interessante é sempre observar o desenvolvimento do seu pequeno e, caso esteja te chamando a atenção, não exite em procurar ajuda.

Com amor,

Fga. Ana Maria Poças

CRFa 6-7185

 

 

Boas novas!

Maternidade Real

Bom dia!

Entre muitas coisas boas e novas, muitas oportunidades que surgiram para mim nesse 2017, venho depois de algumas semanas sumida do Fissurada na Maternidade contar para vocês que estou grávida! É com enorme GRATIDÃO e felicidade que escrevo esse texto! O ano de 2017 chegou carregado de novidades em minha vida! Oportunidade de estudar o meu tão sonhado mestrado, livro saindo do forno, consultório novo e mais um pequeno em minha vida. Este foi o motivo da minha ausência do blog. Estou me reorganizando e assumindo os novos rumos que minha vida está tomando…

Assim como na gravidez do Raul, não foi fácil chegar até o tão esperado positivo… estávamos esperando por esse momento há quase 1 ano e meio de novo. Porém dessa vez eu não tinha nada em meus ovários, eles estão super sadios e funcionando adequadamente. Após dezenas de testes de gravidez a cada segundo que minha menstruação atrasava, minha ansiedade e meu desapontamento aumentavam. A cada teste negativo eu ficava mais longe do meu sonho de ser mãe mais uma vez. As tentantes sabem muito bem o que estou dizendo. É um sentimento nada agradável de se sentir! Quando Raul completou 2 anos nós decidimos que teríamos mais um filho e desde essa data vínhamos tentando a gravidez e também a data que demos entrada nos papéis para adoção. Desta vez a diferença foi que meu ovário estava ok, sem nenhuma alteração, minha menstruação vinha regular, não fiz uso de indutor de ovulação e mais uma vez acho que consegui engravidar quando eu estava super tranquila e esperando (ansiosamente) pela Luna… e aí veio o nosso segundinho! risos… Após o carnaval desse ano, minha menstruação atrasou e dessa vez eu esqueci da menstruação e quando lembrei que era para estar menstruada já tinha quatro dias de atraso. Comprei o teste escondido do marido porque não queria mais uma vez passar pela frustração em conjunto (o que para Rodrigo já estava virando piada, ele sempre brincava que com o dinheiro que eu gastava para comprar testes dava para fazer um monte de coisas… risos…) e saiu uma listra bem clarinha, porém foi após o tempo limite para verificação do teste. Fiquei com aquilo na cabeça e no outro dia comprei outro e repeti. Uma listra mais forte apareceu e no dia seguinte corri pro laboratório e fiz o HCG. Ou seja, eu descobri com 4 semanas, super no início!

Para quem vai me perguntar sobre a questão da adoção… Não desistimos! Ainda esperamos pela nossa princesinha! Afinal três filhos é o meu sonho! Quero uma família grande! risos… Não sabemos ao certo como ficará o nosso processo agora que estamos grávidos. O pessoal da vara da infância no nosso curso de habilitação frisou que quando um casal engravida o processo é arquivado e só depois de dois anos pode dar continuidade. Vamos ver no que vai dar!

Sobre a reação do Raul: ele ficou super feliz! Beijava a barriga toda hora e conversa com o bebê através do meu umbigo… risos… como se fosse um telefone. Tem dias que fica com ciúmes, e já demonstra nas suas atitudes. Ele está bem mais levado, arteiro e está nos testando muito mais do que antes. Mas penso ser normal, né?! (Mães de mais de um, me deem um help! risos…)

Nossa reação e da nossa família: estamos super felizes e agradecidos porque nossa família está aumentando. Estamos realizando o nosso sonho de família grande! Meu maior desejo é que venha com muita saúde porque é só isso que importa, não é mesmo!? Amor já terá demais!

Com muito mais muito mais amor,

Ana Maria.

Conversar com o filho enquanto ele dorme, funciona!?

Maternidade Real

Bom dia!

Uma certa reportagem me interessou há algum tempo e ela tinha como proposta: Conversar com seu filho dormindo. A técnica e o propósito inicial não podia vir de nenhuma outra área se não fosse da psicologia e eu, claro, que já me atinei e fui procurar na internet a respeito… risos.

Sleeptalk é o nome da técnica que propõe que falar palavras positivas para o seu pequeno durante os primeiros minutos do sono pode ajudá-lo em vários aspectos, como aprendizado, autoconfiança, medo e inúmeras outras “barreiras” que você pode estar encontrando na vida do seu filho. A técnica  baseia-se no seguinte: você conversa com o seu filho enquanto ele dorme, trabalhando o subconsciente da criança com palavras e frases positivas. A explicação é que antes de atingir o sono profundo é o momento que se atinge uma onda cerebral ideal para receber estímulos sugestivos e que no caso são os de positividade. A criança já tem dentro do subconsciente pensamentos negativos, então o objetivo proposto é diminuir esses pensamentos fortalecendo os positivos. Fantástico, né?!

Não sou estudante de Psicologia, sou fonoaudióloga (vocês sabem disso… risos), mas apaixonada por algumas técnicas da Psicologia e meu objetivo, quando falo de técnicas, principalmente relacionadas à maternidade, é para ajudar muitas outras mamães e papais que assim como eu só querem o melhor pro seu filhote. Então, pesquisando aqui, encontrei estudos sobre essa técnica Sleeptalk, que tem correspondência com outra técnica chamada Sonoterapia. Será que elas têm um “pezinho” na Hipnose!? Se são a mesma coisa ou e se vêm da Hipnose, eu não sei… Se funciona!? Sim… Funciona! Eu testei com o Raul e venho trabalhando e ajudando a cabecinha dele desde que descobri a técnica. Ele está mais calmo e com menos pesadelos que vinham aparecendo  vez ou outra. Ele acordava chorando à noite e ia para minha cama de madrugada… hoje, se acorda apenas nos chama e fica tudo bem. Parece estar com mais controle dos sentimentos e mais consciente. Resultado dos meus estímulos de positividade!? Acredito que sim! Afinal precisamos mesmo é de positividade, não é mesmo!?

Com amor,

Ana Maria.

Ps: Alguém já fez ou faz a técnica!? Me deem o feedback… vou adorar ler a experiência de vocês!

Leituras sobre o tema:

http://www.wikihow.com/Use-Affirmative-Sleep-Talk-for-Kids

https://dlq8vi77lxj74.cloudfront.net/media/e55e91b2cc22ba117ba8d1546537f7a4c037cf67/8bd1a5b7c051b67dd2658c78ac751f05fe1f6d4e/1479391152/sleeptalk.pdf

Livro – Maria, a maior educadora da história

Maternidade Real

Bom dia!

A dica de leitura do dia vai para o livro do Augusto Cury: Maria, a maior educadora da história. Os dez princípios usados por Maria para educar seu filho, Jesus. 

O livro tem uma visão psicológica e pedagógica da metodologia que Maria usou para educar Jesus, uma criança que revolucionaria a Terra, um jovem que era capaz de ter inúmeras qualidades que lhe foram instigadas a desenvolver devido à sábia inteligência de sua mãe. Mesmo as pessoas que não são cristãs podem ler o livro, porque não é nada voltado para religião. O autor descreve as atitudes sábias de uma jovem mulher que educou seu filho para servir a comunidade e que se baseava em dez princípios:

1. Contrato de risco

2. Rapidez em agradecer e coragem para agir

3. Intuição

4. Educar o filho para servir a sociedade

5. Espiritualidade inteligente

6. Proteção da Emoção

7. Ambição interior

8. Contemplação da natureza

9. Inteligência para construir um projeto de vida e disciplina para executá-lo

10.  História de vida

Os princípios utilizados por Maria são importantíssimos até hoje. Para quem recebeu a missão mais sublime que existe que é a de educar filhos, é uma leitura riquíssima, principalmente para as mamães da atualidade, quando acabamos nos perdendo no meio de tanta tecnologia e no meio da agitação do mundo em que vivemos.

Com amor,

Ana Maria.

Sobre esperar…

Maternidade Real

Bom dia!

Esse texto é para quem está com o coração no assunto adoção e que está me entendendo super bem nesse processo não muito fácil de espera. Então vamos lá!

No fim do ano passado entrei em contato com a vara da infância aqui de BH para saber a minha atual ocupação na “fila” do cadastro nacional de adoção e nós estávamos em 160. Aff… Foi difícil escutar este número porque tínhamos a ideia de que como o nosso perfil é bem amplo e sem muitas restrições passaríamos na frente de muita gente. Esse ano liguei novamente e nós caímos para a 140 posição. =) Até que a “fila” andou um pouquinho por aqui. Digamos que em dois meses 20 pessoas (ou casais) foram pais! Bom, né! E a outra notícia que me fez alegrar muito… é que nós podemos ser os próximos da fila caso apareça uma criança negra ou parda. Imaginem a minha felicidade!  A atendente que olhou o nosso cadastro me disse que o nosso perfil é muito bom e que temos grande chance da cegonha aparecer com a nossa princesa bem rápido. Confesso que a partir desse dia estou mais apreensiva quando o telefone toca por aqui. A vontade que ele toque HOJE e AGORA é enorme… risos.

Estou inserida em grupos das redes sociais que abordam o tema adoção e, acreditem, a espera é o tema que mais é mencionado. Eu realmente gostaria que esse tempo fosse minimizado, ia ser bom para os pais e melhor ainda para as crianças que estão abrigadas e sem uma família. Imaginem o tempo que essas crianças passam em um abrigo devido a burocracia (necessária) para que ela seja destituída da família original.

Vamos continuar esperando e torcendo que esse nosso “primeiro” lugar na fila não demore tanto mais!

Com amor,

Ana Maria.