#mamãefonoaudióloga: aquisição da leitura

Bom dia!

É tão bonitinho quando os pequenos começam a identificar as letras! Quem aqui já está nessa fase ou já passou por ela!? Por todo lado que passamos as crianças vão identificando as letrinhas do nome próprio, do nome dos pais, dos irmãos… Ah eu fico encantada! O Raul, por exemplo, quando saímos de carro toda hora grita: “Olha mamãe meu R!”.

Uma pergunta que pode aparecer é como podemos auxiliar as crianças nesse processo de aprendizagem da leitura, não é mesmo?! Alguém aí tem alguma dica!? Se você respondeu estimulando, você está corretíssimo! A estimulação é tudo na vida! Devemos incentivar os pequenos a ler… pegar livrinhos para que vocês leiam juntos, para que vocês possam olhar as figuras do livro e florear a imaginação. Ao ler as histórias peça à criança que vá descrevendo o que ela está vendo em cada imagem presente no livro. Nas letras do título do livro, que geralmente estão em caixa alta, vá observando e dando ênfase à letra associada ao nome do pequeno, caso tenha, ou de algum membro da família. Outra forma de estimular é na hora do banho. Nessa hora incentive-os a ler os nomes dos potes dos cosméticos ou simplesmente vá falando: “sabonete começa com S, olha o som que a letra S faz” e demonstre fazendo o som para o pequeno. Ao caminhar nas ruas observe e faça com que a criança observe também outdoors, placas e faixas. Livros com gravuras móveis e que têm fantoches são muito legais de serem utilizados. Com coisas simples e lúdicas fazemos a criança tomar gosto pela leitura e ir descobrindo mais e mais letrinhas, assim logo logo começam a ler sílabas e depois palavras inteiras. Quando a gente se assusta já estão lendo livros inteirinhos.

Estimular é sem dúvida a coisa mais importante que você pode oferecer a seu filho (a)! É através dela que aprendemos a falar, ler, andar, desenvolver a nossa criatividade e a nossa personalidade. É a base de tudo! Não economize nisso e você vai ter um excelente resultado.

Com amor,

Ana Maria Poças

CRFa 6-7185

APLV – Você não está sozinho

Oi gente! Tudo bem? Venho escrever um pouco da minha experiência com a APLV, que apareceu na minha vida sem muita cerimônia. Espero que possa ajudar e encorajar muitas famílias que sofrem com o mesmo probleminha chato.

Vamos lá… A APLV é uma sigla que significa Alergia à Proteína do Leite de Vaca, ou para os médicos, Hipersensibilidade à Proteína do Leite de Vaca. Ela acontece porque o organismo reconhece a proteína do leite como algo estranho e então produz uma resposta imunológica exagerada para combatê-lo. A APLV é a alergia alimentar mais comum em bebês e crianças, e por incrível que pareça, muitos nunca ouviram falar ou confundem com intolerância à Lactose. Inicia-se normalmente nos primeiros meses de vida, porém na maioria dos casos regride até os 3 anos de idade. Muitos médicos também nem sabem lidar direito com o problema devido à dificuldade no diagnóstico, pois não existem exames que detectam com 100% de confiabilidade a alergia. A causa ainda é um pouco controversa, pode ser de origem genética ou por exposição precoce às fórmulas industrializadas.

Existem dois tipos de alergia, o primeiro deles e o que costuma ser mais grave é o mediado por anticorpos IgE, que se manifesta imediatamente ou até 2 horas após o contato com o alérgeno. Os sintomas desse tipo normalmente são de pele, como: lesões vermelhas, coceiras, irritação na mucosa do nariz, inchaço no olhos e lábios, ou até os casos mais graves, como anafilaxia. O segundo tipo é o não mediado por IgE, que é chamado de tardio. Nele ocorre a manifestação dos sintomas horas ou até dias depois (normalmente até 3 dias). Os sintomas desse tipo são mais relacionados com o sistema gastrointestinal, como: sangue ou muco nas fezes, doença do refluxo gastroesofágico, diarréia, entre outros. (Há crianças que podem ter os dois tipos ao mesmo tempo.)

O tratamento para a APLV é totalmente nutricional, ou seja, é através da exclusão total do leite e seus derivados da dieta da criança, ou no caso daquelas que são amamentadas ainda, da dieta da mãe. Sim, a proteína do leite pode passar para o bebê através do leite materno!! Esse foi o meu caso! As crianças que já tomam fórmula precisam trocar para fórmulas especialmente desenvolvidas para alérgicos. Existem algumas no mercado como a Pregomin pepti, Neocate, PurAmino, entre outras. Vamos então para a minha história com meu bebê.

O Samuel teve contato com a fórmula industrializada muito cedo, já no primeiro dia de vida, o que ao meu ver foi sem necessidade. Os médicos deram o complemento pra ele devido a uma hipoglicemia, problema que foi desencadeado por uma diabetes gestacional dentre outras complicações que tive na gravidez. Após a chegada dele em casa, foi aleitamento materno exclusivo, o que segue até hoje, graças a Deus.

Ele sempre foi um bebê que chorava além do normal, chorava durante e após as mamadas, que, aliás, a amamentação pra mim se tornou um desafio, (tema para um próximo post), até pra fazer cocô ele chorava…. nossa, era um sufoco! O pediatra no início falava que era apenas cólica, depois foi diagnosticado como refluxo oculto, pois nem golfar ele golfava! Até aparecer o primeiro sangue nas fezes…. Saiu um pouquinho só de sangue vivo, tirei foto no dia para mostrar pro médico. Fiquei bastante preocupada no momento, mas como estava perto da ida ao pediatra e ele não tinha febre nem outro sintoma mais preocupante, resolvi esperar e fui pesquisar. Gente, todos os sintomas da APLV o Samuca tinha: muco e sangue nas fezes, choro pra fazer cocô, muitos gases, refluxo, problemas com o sono e etc. Com o tempo comecei a reparar que quando tomava leite ou comia queijo a situação piorava. Foi então que resolvi evitar o leite e seus derivados, porém mal sabia eu que isso não era o suficiente. Existem os tais traços, as alergias cruzadas… Aff… Mostrei ao pediatra dele a foto do cocô e ele disse pra eu não preocupar porque no geral ele estava bem e ganhando peso suficiente. Só que o problema foi só aumentando, os choros continuavam terríveis, mesmo com o remédio para refluxo. Foi então que voltou a sair sangue nas fezes dele depois de algumas semanas e a quantidade foi bem maior e por dois dias seguidos. Foi então que resolvi procurar um gastropediatra, por indicação de uma amiga da minha irmã que o bebê dela também tinha APLV.

Fui ao gastro e foi confirmada minha suspeita. Ele não pediu nenhum exame, o quadro do Samuel era tão específico que ele nem precisou de exames laboratoriais para dar o diagnóstico. Ele me orientou a fazer a dieta de exclusão total do leite e derivados, bem como da soja…. isso mesmo, a maioria dos bebês com a alergia ao leite de vaca tem à proteína da soja também, isso acontece porque a composição dessas proteínas é parecida, assim ocorre uma reação cruzada com a soja, o que pode ocorrer também com a proteína do ovo. Enfim começou a minha luta, fiquei quase uma semana comendo pão sírio com azeite, só no almoço e janta eu comia direito: arroz, feijão, legumes, salada e alguma carne. Emagreci, fiquei fraca, mas como sabia que o leite materno ainda era o melhor pra ele fui firme e aos poucos fui me adaptando. Tive que trocar as panelas e vasilhas de plástico da minha casa, fazer meu pão em casa e não comer mais fora, inclusive na casa de parentes. Isso tudo para evitar ingerir traços de leite e soja. Passei também a olhar os rótulos dos produtos detalhadamente e a ligar para os SACs das empresas. Após isso o meu filho teve uma melhora incrível, parou praticamente de chorar, estava mamando melhor e bem mais tranquilo pra dormir.

Hoje o Samuel está com 4 meses, ainda tem alguns episódios de sangue nas fezes e normalmente, é por algum escape alimentar meu, sempre fico me sentindo culpada… Estou procurando melhorar e descobrir o que eu ingeri que pode ainda estar fazendo mal a ele. Três semanas depois tive que tirar o ovo também, por orientação do Gastro. Seguimos observando a reação dele, já estamos completando 5 semanas de dieta e pretendo seguir assim até o sexto mês (em outro post falo sobre isso).

Gostaria de contar muito mais detalhes sobre a nossa experiência, porém o post ficaria enorme, se alguém tiver mais dúvidas pode entrar em contato comigo aqui nos comentários do blog ou pelo meu instagram: @marianapocasabreu que ficarei feliz em poder ajudar. No mais, para escrever sobre o assunto me baseei em tudo que li na internet e em artigos científicos sobre APLV. Segue o link de dois sites incríveis sobre APLV e outras alergias alimentares que tem informações mais detalhadas, links de receitas deliciosas sem leite e outros alérgenos, vale à pena acessar. Esse é um dos sites mais completos sobre o assunto: http://www.alergiaaoleitedevaca.com.br/

Esse é o site do médico que acompanha o Samuca, quem é de BH super indico!: http://alergiaaleite.com.br/

Pessoal, o segredo para o tratamento da APLV é informação e acima de tudo paciência, pois os sintomas podem demorar até 4 semanas, em média, para desaparecer completamente após o início da dieta. Então desejo às mães e pais que estão passando por isso muita paciência e determinação!

Um abraço a todos.

Mariana Poças Abreu

Mari

#mamãefonoaudióloga: Apraxia de Fala

Bom dia!

Já ouviram falar sobre Apraxia de Fala na infância?! Se esse nome é novo para você vem ler e entender o que significa.

Apraxia de fala é uma desordem na parte motora da fala,  que tem como característica uma dificuldade de programação e de planejamento das sequências dos movimentos motores da fala, resultando em erros de produção dos sons. Ou seja, o cérebro apresenta uma certa dificuldade em comandar a musculatura que nós precisamos para falar, como por exemplo para movimentar a mandíbula, a maxila e a língua. É interessante ressaltar que a Apraxia é uma alteração relativamente rara, não são todas crianças com atraso na fala que recebem o diagnóstico de Apraxia. Para que se chegue ao diagnóstico é necessário que um fonoaudiólogo avalie a criança.

Quando devo então procurar um fonoaudiólogo?! Se o seu pequeno é bem quietinho e não vocaliza muitos sons, tem um repertório limitado de sons, apresenta uma grande alteração na fala ou tem uma fala bem difícil de se compreender ou tem dias que é mais compreendida e dias em que não se consegue entender nada do que se fala, apresenta muitas pausas para falar, apresenta uma fala monótoma sem muita entonação, está apresentando algumas outras dificuldades como ao se vestir, escovar os dentes, fazer coisas que são mais minuciosas como pegar no lápis etc… é interessante que se procure por auxílio.

Muitas vezes é difícil de se chegar ao diagnóstico precoce, principalmente em crianças menores de dois anos de idade, devido ao fato de não compreenderem as instruções específicas para o diagnóstico. Porém a intervenção precoce é importantíssima para se conseguir um melhor desempenho nas terapias e na resolução do quadro clínico.

Portanto, mamães e papais… o interessante é sempre observar o desenvolvimento do seu pequeno e, caso esteja te chamando a atenção, não exite em procurar ajuda.

Com amor,

Fga. Ana Maria Poças

CRFa 6-7185

 

 

Fissura labiopalatina, onde encontrar ajuda!?

Bom dia!

Se você está sendo inserido nesse universo que é o assunto Fissura Labiopalatina e está sem saber onde encontrar ajuda, este texto pode te ajudar. Reuni aqui nesse post alguns centros que tem especialidade em tratamento de deformidades crânio faciais e que estão espalhados pelo Brasil. Vamos lá! Ajude na divulgação dessas informações. Com certeza irá chegar em quem precisa!

AFISSORE: Sorocaba – SP 

Associação dos Fissurados lábio Palatais de Sorocaba e Região

Rua Lygia Fante, n° 128, Alto da Boa Vista

Telefone: 15 32113697

CEFIBA: Salvador – BA

Centro de Fissuras da Bahia

Telefone: 71 99150806

CEFIL: Londrina – PR

Centro de Apoio e Reabilitação dos Portadores de Fissura Lábio Palatal

Rua Santa Cruz, 55 -Vila Siam

Telefone: 43 33440132

 

CENTRARE: Belo Horizonte -MG

Hospital da Baleia – Rua Juramento, 1464, Saudade. CEP. 30.285-048

Telefone: 31 3489 1644

CENTRINHO Bauru: Bauru-SP

Rua Sílvio Marchione, 3-20 – Vila Universitária. Cep: 17.012-900

FUNFACE:  Fortaleza – CE

Associação Beija Flor – Av. Alberto Craveiro, 2222 – Dias Macedo

Telefone: (85) 3295.0812 | 3088.3900

FUNDEF: Lajeado – RS

Hospital Bruno Born – Av. Benjamin Constant, 881, CEP: 95900-000

Telefone: 51 3714-3711

PRO SORRISO: Alfenas – MG

Rod. M. G. 179 km (UNIFENAS) Universidade de Alfenas – Caixa Postal 23

Telefone: 35 3299-3182

REDE PROFIS: Bauru -SP

Rua Silvio Marchione, 3-20

Telefone:14 3235-5699

SOBRAPAR: Campinas – SP

Hospital Sobrapar – Crânio e Face – Av. Adolpho Lutz, 100, Cidade Universitária, CEP 13083-880
Telefone: 55 19 37499700

Esses são alguns centros e associações, porém existem muitos mais. Você consegue fazer uma busca mais detalhada por estados brasileiros através do site da Operação Sorriso  e no da Smile Train. Nesses sites você encontra os centros parceiros dessas ONGs e também médicos particulares que fazem o tratamento mais perto de onde você mora. Para quem não conhece, essas são organizações não governamentais que abraçam a nossa causa e lutam por sorrisos ainda mais lindos. Ah! Sabia que você também pode contribuir com muitos sorrisos através de doações, entre nos sites e veja como pode ajudar.

Além disso, na internet podemos contar com alguns blogs/comunidades bem bacanas sobre fissura. Onde podemos vivenciar de perto o que algumas mamães passam ou já passaram com seus pequenos. Eu sigo alguns e vou deixar aqui registrado para que vocês também tenham acesso à eles:

As Fissuradas

A Luz do teu Sorriso

Um príncipe em minha vida

A Ilha da Maria Clara

Fissura lábio palatina O Blog

Lábios Compartidos

Com amor,

Ana Maria Poças.

CRFa 6-7185

#mamãefonoaudióloga: expressões faciais

Bom dia!

A série #mamãefonoaudióloga vem mostrar hoje o porquê de estimularmos as expressões faciais e o conhecimento delas. A expressão facial é a forma mais comum de expressão das nossas emoções. É o meio que mais demonstra em detalhes as nossas emoções, funcionando como um facilitador na interação com o outro e reforçando a nossa mensagem enviada. Uma curiosidade é que o rosto humano é capaz de gerar aproximadamente 20.000 expressões diferentes. Muita coisa, né?! É interessante vocês saberem que muitas crianças têm dificuldades em reconhecer expressões faciais, como nos casos dos pequenos com características do transtorno do espectro autista e dos surdos. Existem também crianças com dificuldade de se expressar de maneira adequada condizente com o seu estado de espírito. Esta capacidade dos pequenos de produzirem e reconhecerem expressões faciais de emoção tem sido considerada como elemento central para a compreensão do desenvolvimento infantil nos seus aspectos cognitivo, afetivo e social. Portanto, nada melhor do que algumas atividades que podemos auxiliá-los nesse reconhecimento de expressões faciais. Vamos lá!?

  1. Com a intenção de proporcionar o reconhecimento de expressões faciais e também estimular as habilidades táteis cinestésicas, essas bexigas com diversos tipos de materiais dentro e com expressões diferentes são ótimas para os pequenos… principalmente os que estão encaixados no TEA (Transtorno do Espectro Autista).

07a7c1c78fcf572e16d383baf718c152

2. Com um espelho e uma folha de papel, podemos pedir as crianças que façam várias caras diferentes e tentem reproduzi-las no papel.5c8a9ef226b518912453123d15d025ad3. Com o formato do rosto desenhado em uma folha de papel, utilize massinhas de modelar para que a criança faça várias formas de expressão facial. Nessa atividade como nas outras também trabalhamos a coordenação motora fina e a criatividade.

46f892aae125c81411ad987124a5e13f

4. Com uma cartolina faça o molde em formato de um rosto com os seus itens: olhos, boca, nariz, sobrancelhas e bochechas.  Com a ajuda de um alfinete coloque os itens presos no rosto. Peça a criança para ir moldando o rosto de acordo com as emoções que você vai ditando. Exemplo: Faça uma carinha de feliz! Agora uma de raiva! Você também pode contar uma história onde a criança deve moldar o rostinho de acordo com o que vai acontecendo na história. Essa última é ótima para os mais crescidinhos!
52dea1c9e2dbdeda7787e5a4c1f87bfd

Com amor,

Ana Maria.

CRFa 6-7185

 

Bibliografia:

http://www.revispsi.uerj.br/v9n2/artigos/pdf/v9n2a04.pdf
https://psicologado.com/psicologia-geral/introducao/expressoes-faciais-das-emocoes-e-micro-expressoes-tendencias-e-contributos-da-psicologia-moderna
http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfs_MAB/a-importancia-expressao-facial-na-conducao-ato-comunicativo

Ps.: Imagens retiradas do Pinterest.

#mamãefonoaudióloga: lateralidade

Bom dia!

Hoje vamos conversar sobre a lateralidade. Uma habilidade essencial para o desenvolvimento psicomotor e para o desenvolvimento da aprendizagem.  A lateralidade é a capacidade de se vivenciar as noções de direita e esquerda sobre o mundo exterior. Ou seja,  é o domínio de um lado do corpo sobre o outro. Vocês já repararam que a maioria dos nossos pequenos são ambidestros?! Utilizam as duas mãos da mesma forma. Apesar de ser congênita, ela não surge de forma súbita, mas sim aos poucos. A habilidade de lateralidade é desenvolvida quando ainda somos pequenos por volta dos 6 aos 8 anos de idade.  Nessa fase é que as crianças começam a desenvolver maior habilidade em uma das mãos em suas atividades, principalmente as escolares, onde vão acompanhando o desenvolvimento cognitivo e as práticas relacionadas à psicomotricidade. Com esta habilidade conseguimos uma boa escrita, a orientação espacial e temporal por exemplo.

Agora que sabemos o quão importante é a lateralidade e o porquê de estimula-lá, separei algumas dicas de brincadeiras onde o objetivo de estimular a lateralidade está presente.

  1. Com balões entre as pernas, peça a criançada que se movimente de um lado para o outro, estimulando o conhecimento de direita, esquerda, para frente e para trás.54e49b24302b70b84d418fefaabc30ca
  2. Algumas argolas e figuras de pés coloridos que são distribuídas aleatoriamente formando um guia onde os pequenos deverão seguir as pegadas pulando com os pés juntos ou separados. Essa atividade é riquíssima para estimular a coordenação motora grossa, a lateralidade, raciocínio lógico, sequência etc.0364782d8b5e9e99a27ae668492c344a
  3.  Um balão pendurado em um barbante e a sua criatividade, só isso basta para criar uma brincadeira bem interessante e cheia de estimulação. Vá solicitando que a criança coloque a mão direita no balão, depois o pé esquerdo… e por aí vai…3149ee3478aeb53e437bf7b2b688950e
  4. Treinando a coordenação motora grossa, a lateralidade e estimulando o conhecimento dos números… com essa atividade você consegue tudo isso! Basta um giz para proporcionar todo esse conhecimento. A diversão é garantida! Para os pequenos mais crescidinhos e que estão em fase de aprender a fazer contas matemáticas, você pode ir ditando os cálculos e eles devem pular para a resposta certa.6102191c97ec98a0b474aaffb1478964
  5. Para treinar a lateralidade e ainda estimular o conhecimento de peso, que tal uma balança improvisada com um cabide de roupas e dois vasinhos de plantas vazios!?

2a7caaa3a6984fd426897832cd3a596f

Espero que vocês se divirtam assim como eu e o Raulzito. Nós adoramos “atividades estimuladoras”, como chamamos por aqui.

Com amor,

Fga Ana Maria Poças.

CRFa 6-7185

Ps.: Fotos ilustrativas do aplicativo Pinterest. =D

Projeto Abrace Sorrisos 2017

Bom dia!

Este ano fomos convidados a conhecer a iniciativa Abrace Sorrisos. O projeto foi elaborado  e idealizado com o intuito de divulgar a fissura labiopalatina e recolher verba para a associação Rede Profis, que ajuda muitas crianças a alcançarem novos sorrisos. O projeto A luz do teu sorriso e a rede As fissuradas estão à frente dessa iniciativa e exercem lindamente o papel de divulgação e de desmistificação desse universo.

Para arrecadar o dinheiro que será totalmente destinado a novos sorrisos, foram elaboradas  agendas com muito amor envolvido. Além da agenda em si, você terá o prazer de ler depoimentos de familiares que vivem nesse mundo de fissuras e muitas fotos de crianças lindas e abençoadas, mostrando seus sorrisos antes e após as cirurgias. O Raulzito tambem está nela… Me dando o maior orgulho! =D

Como faço para conseguir a minha agenda?! Fácil… basta enviar um e-mail para abracesorrisos@gmail.com que os responsáveis pela venda e envio te explicam tudinho.

Faça parte desse projeto com a gente. Compre a agenda e ajude muitos novos sorrisos a serem alcançados.

Com muito amor,

Ana Maria, Rodrigo e Raul.