Pesquisa sobre fissuras do blog Divulga Fissura

Maternidade Real

Boa tarde!
Venham ver essa pesquisa incrível e de grande valia no universo das fissuras que a querida Silvana do blog Divulga Fissura vem se empenhando em fazer.
Com amor,
Ana Maria.

Divulga fissura

Resultado de imagem para breast feeding

O convite para participação na primeira etapa de minha pesquisa sobre fissuras labiopalatinas foi feito no grupo Cleft, do Facebook, e tive um ótimo acolhimento, com muitas mães e pacientes que responderam quase que imediatamente. Faço questão de apresentar aqui esses primeiros resultados, pois considero fundamental retribuir o empenho destas pessoas e mostrar, ao menos em parte, o tipo de pesquisa que desenvolvo em meu doutorado na Faculdade de Saúde Pública da USP. Ainda não estão nos resultados que aqui apresento os depoimentos de mães que fiz contato posteriormente, através da gentil colaboração da Uiara, da rede Profis, e da Ana Poças, do blog Fissurada na Maternidade. Gostaria de explicar que a pesquisa está em andamento, e isso quer dizer que todos os dias recebo novas respostas, que vou somando às anteriores. Chegará uma hora em que a coleta de dados estará finalizada, e então vou apresentar todos os resultados…

Ver o post original 617 mais palavras

#mamãefonoaudióloga: Apraxia de Fala

mamãe fonoaudióloga

Bom dia!

Já ouviram falar sobre Apraxia de Fala na infância?! Se esse nome é novo para você vem ler e entender o que significa.

Apraxia de fala é uma desordem na parte motora da fala,  que tem como característica uma dificuldade de programação e de planejamento das sequências dos movimentos motores da fala, resultando em erros de produção dos sons. Ou seja, o cérebro apresenta uma certa dificuldade em comandar a musculatura que nós precisamos para falar, como por exemplo para movimentar a mandíbula, a maxila e a língua. É interessante ressaltar que a Apraxia é uma alteração relativamente rara, não são todas crianças com atraso na fala que recebem o diagnóstico de Apraxia. Para que se chegue ao diagnóstico é necessário que um fonoaudiólogo avalie a criança.

Quando devo então procurar um fonoaudiólogo?! Se o seu pequeno é bem quietinho e não vocaliza muitos sons, tem um repertório limitado de sons, apresenta uma grande alteração na fala ou tem uma fala bem difícil de se compreender ou tem dias que é mais compreendida e dias em que não se consegue entender nada do que se fala, apresenta muitas pausas para falar, apresenta uma fala monótoma sem muita entonação, está apresentando algumas outras dificuldades como ao se vestir, escovar os dentes, fazer coisas que são mais minuciosas como pegar no lápis etc… é interessante que se procure por auxílio.

Muitas vezes é difícil de se chegar ao diagnóstico precoce, principalmente em crianças menores de dois anos de idade, devido ao fato de não compreenderem as instruções específicas para o diagnóstico. Porém a intervenção precoce é importantíssima para se conseguir um melhor desempenho nas terapias e na resolução do quadro clínico.

Portanto, mamães e papais… o interessante é sempre observar o desenvolvimento do seu pequeno e, caso esteja te chamando a atenção, não exite em procurar ajuda.

Com amor,

Fga. Ana Maria Poças

CRFa 6-7185

 

 

Boas novas!

Maternidade Real

Bom dia!

Entre muitas coisas boas e novas, muitas oportunidades que surgiram para mim nesse 2017, venho depois de algumas semanas sumida do Fissurada na Maternidade contar para vocês que estou grávida! É com enorme GRATIDÃO e felicidade que escrevo esse texto! O ano de 2017 chegou carregado de novidades em minha vida! Oportunidade de estudar o meu tão sonhado mestrado, livro saindo do forno, consultório novo e mais um pequeno em minha vida. Este foi o motivo da minha ausência do blog. Estou me reorganizando e assumindo os novos rumos que minha vida está tomando…

Assim como na gravidez do Raul, não foi fácil chegar até o tão esperado positivo… estávamos esperando por esse momento há quase 1 ano e meio de novo. Porém dessa vez eu não tinha nada em meus ovários, eles estão super sadios e funcionando adequadamente. Após dezenas de testes de gravidez a cada segundo que minha menstruação atrasava, minha ansiedade e meu desapontamento aumentavam. A cada teste negativo eu ficava mais longe do meu sonho de ser mãe mais uma vez. As tentantes sabem muito bem o que estou dizendo. É um sentimento nada agradável de se sentir! Quando Raul completou 2 anos nós decidimos que teríamos mais um filho e desde essa data vínhamos tentando a gravidez e também a data que demos entrada nos papéis para adoção. Desta vez a diferença foi que meu ovário estava ok, sem nenhuma alteração, minha menstruação vinha regular, não fiz uso de indutor de ovulação e mais uma vez acho que consegui engravidar quando eu estava super tranquila e esperando (ansiosamente) pela Luna… e aí veio o nosso segundinho! risos… Após o carnaval desse ano, minha menstruação atrasou e dessa vez eu esqueci da menstruação e quando lembrei que era para estar menstruada já tinha quatro dias de atraso. Comprei o teste escondido do marido porque não queria mais uma vez passar pela frustração em conjunto (o que para Rodrigo já estava virando piada, ele sempre brincava que com o dinheiro que eu gastava para comprar testes dava para fazer um monte de coisas… risos…) e saiu uma listra bem clarinha, porém foi após o tempo limite para verificação do teste. Fiquei com aquilo na cabeça e no outro dia comprei outro e repeti. Uma listra mais forte apareceu e no dia seguinte corri pro laboratório e fiz o HCG. Ou seja, eu descobri com 4 semanas, super no início!

Para quem vai me perguntar sobre a questão da adoção… Não desistimos! Ainda esperamos pela nossa princesinha! Afinal três filhos é o meu sonho! Quero uma família grande! risos… Não sabemos ao certo como ficará o nosso processo agora que estamos grávidos. O pessoal da vara da infância no nosso curso de habilitação frisou que quando um casal engravida o processo é arquivado e só depois de dois anos pode dar continuidade. Vamos ver no que vai dar!

Sobre a reação do Raul: ele ficou super feliz! Beijava a barriga toda hora e conversa com o bebê através do meu umbigo… risos… como se fosse um telefone. Tem dias que fica com ciúmes, e já demonstra nas suas atitudes. Ele está bem mais levado, arteiro e está nos testando muito mais do que antes. Mas penso ser normal, né?! (Mães de mais de um, me deem um help! risos…)

Nossa reação e da nossa família: estamos super felizes e agradecidos porque nossa família está aumentando. Estamos realizando o nosso sonho de família grande! Meu maior desejo é que venha com muita saúde porque é só isso que importa, não é mesmo!? Amor já terá demais!

Com muito mais muito mais amor,

Ana Maria.

Conversar com o filho enquanto ele dorme, funciona!?

Maternidade Real

Bom dia!

Uma certa reportagem me interessou há algum tempo e ela tinha como proposta: Conversar com seu filho dormindo. A técnica e o propósito inicial não podia vir de nenhuma outra área se não fosse da psicologia e eu, claro, que já me atinei e fui procurar na internet a respeito… risos.

Sleeptalk é o nome da técnica que propõe que falar palavras positivas para o seu pequeno durante os primeiros minutos do sono pode ajudá-lo em vários aspectos, como aprendizado, autoconfiança, medo e inúmeras outras “barreiras” que você pode estar encontrando na vida do seu filho. A técnica  baseia-se no seguinte: você conversa com o seu filho enquanto ele dorme, trabalhando o subconsciente da criança com palavras e frases positivas. A explicação é que antes de atingir o sono profundo é o momento que se atinge uma onda cerebral ideal para receber estímulos sugestivos e que no caso são os de positividade. A criança já tem dentro do subconsciente pensamentos negativos, então o objetivo proposto é diminuir esses pensamentos fortalecendo os positivos. Fantástico, né?!

Não sou estudante de Psicologia, sou fonoaudióloga (vocês sabem disso… risos), mas apaixonada por algumas técnicas da Psicologia e meu objetivo, quando falo de técnicas, principalmente relacionadas à maternidade, é para ajudar muitas outras mamães e papais que assim como eu só querem o melhor pro seu filhote. Então, pesquisando aqui, encontrei estudos sobre essa técnica Sleeptalk, que tem correspondência com outra técnica chamada Sonoterapia. Será que elas têm um “pezinho” na Hipnose!? Se são a mesma coisa ou e se vêm da Hipnose, eu não sei… Se funciona!? Sim… Funciona! Eu testei com o Raul e venho trabalhando e ajudando a cabecinha dele desde que descobri a técnica. Ele está mais calmo e com menos pesadelos que vinham aparecendo  vez ou outra. Ele acordava chorando à noite e ia para minha cama de madrugada… hoje, se acorda apenas nos chama e fica tudo bem. Parece estar com mais controle dos sentimentos e mais consciente. Resultado dos meus estímulos de positividade!? Acredito que sim! Afinal precisamos mesmo é de positividade, não é mesmo!?

Com amor,

Ana Maria.

Ps: Alguém já fez ou faz a técnica!? Me deem o feedback… vou adorar ler a experiência de vocês!

Leituras sobre o tema:

http://www.wikihow.com/Use-Affirmative-Sleep-Talk-for-Kids

https://dlq8vi77lxj74.cloudfront.net/media/e55e91b2cc22ba117ba8d1546537f7a4c037cf67/8bd1a5b7c051b67dd2658c78ac751f05fe1f6d4e/1479391152/sleeptalk.pdf

Livro – Maria, a maior educadora da história

Maternidade Real

Bom dia!

A dica de leitura do dia vai para o livro do Augusto Cury: Maria, a maior educadora da história. Os dez princípios usados por Maria para educar seu filho, Jesus. 

O livro tem uma visão psicológica e pedagógica da metodologia que Maria usou para educar Jesus, uma criança que revolucionaria a Terra, um jovem que era capaz de ter inúmeras qualidades que lhe foram instigadas a desenvolver devido à sábia inteligência de sua mãe. Mesmo as pessoas que não são cristãs podem ler o livro, porque não é nada voltado para religião. O autor descreve as atitudes sábias de uma jovem mulher que educou seu filho para servir a comunidade e que se baseava em dez princípios:

1. Contrato de risco

2. Rapidez em agradecer e coragem para agir

3. Intuição

4. Educar o filho para servir a sociedade

5. Espiritualidade inteligente

6. Proteção da Emoção

7. Ambição interior

8. Contemplação da natureza

9. Inteligência para construir um projeto de vida e disciplina para executá-lo

10.  História de vida

Os princípios utilizados por Maria são importantíssimos até hoje. Para quem recebeu a missão mais sublime que existe que é a de educar filhos, é uma leitura riquíssima, principalmente para as mamães da atualidade, quando acabamos nos perdendo no meio de tanta tecnologia e no meio da agitação do mundo em que vivemos.

Com amor,

Ana Maria.

Sobre esperar…

Maternidade Real

Bom dia!

Esse texto é para quem está com o coração no assunto adoção e que está me entendendo super bem nesse processo não muito fácil de espera. Então vamos lá!

No fim do ano passado entrei em contato com a vara da infância aqui de BH para saber a minha atual ocupação na “fila” do cadastro nacional de adoção e nós estávamos em 160. Aff… Foi difícil escutar este número porque tínhamos a ideia de que como o nosso perfil é bem amplo e sem muitas restrições passaríamos na frente de muita gente. Esse ano liguei novamente e nós caímos para a 140 posição. =) Até que a “fila” andou um pouquinho por aqui. Digamos que em dois meses 20 pessoas (ou casais) foram pais! Bom, né! E a outra notícia que me fez alegrar muito… é que nós podemos ser os próximos da fila caso apareça uma criança negra ou parda. Imaginem a minha felicidade!  A atendente que olhou o nosso cadastro me disse que o nosso perfil é muito bom e que temos grande chance da cegonha aparecer com a nossa princesa bem rápido. Confesso que a partir desse dia estou mais apreensiva quando o telefone toca por aqui. A vontade que ele toque HOJE e AGORA é enorme… risos.

Estou inserida em grupos das redes sociais que abordam o tema adoção e, acreditem, a espera é o tema que mais é mencionado. Eu realmente gostaria que esse tempo fosse minimizado, ia ser bom para os pais e melhor ainda para as crianças que estão abrigadas e sem uma família. Imaginem o tempo que essas crianças passam em um abrigo devido a burocracia (necessária) para que ela seja destituída da família original.

Vamos continuar esperando e torcendo que esse nosso “primeiro” lugar na fila não demore tanto mais!

Com amor,

Ana Maria.

Fissura labiopalatina, onde encontrar ajuda!?

mamãe fonoaudióloga

Bom dia!

Se você está sendo inserido nesse universo que é o assunto Fissura Labiopalatina e está sem saber onde encontrar ajuda, este texto pode te ajudar. Reuni aqui nesse post alguns centros que tem especialidade em tratamento de deformidades crânio faciais e que estão espalhados pelo Brasil. Vamos lá! Ajude na divulgação dessas informações. Com certeza irá chegar em quem precisa!

AFISSORE: Sorocaba – SP 

Associação dos Fissurados lábio Palatais de Sorocaba e Região

Rua Lygia Fante, n° 128, Alto da Boa Vista

Telefone: 15 32113697

CEFIBA: Salvador – BA

Centro de Fissuras da Bahia

Telefone: 71 99150806

CEFIL: Londrina – PR

Centro de Apoio e Reabilitação dos Portadores de Fissura Lábio Palatal

Rua Santa Cruz, 55 -Vila Siam

Telefone: 43 33440132

 

CENTRARE: Belo Horizonte -MG

Hospital da Baleia – Rua Juramento, 1464, Saudade. CEP. 30.285-048

Telefone: 31 3489 1644

CENTRINHO Bauru: Bauru-SP

Rua Sílvio Marchione, 3-20 – Vila Universitária. Cep: 17.012-900

FUNFACE:  Fortaleza – CE

Associação Beija Flor – Av. Alberto Craveiro, 2222 – Dias Macedo

Telefone: (85) 3295.0812 | 3088.3900

FUNDEF: Lajeado – RS

Hospital Bruno Born – Av. Benjamin Constant, 881, CEP: 95900-000

Telefone: 51 3714-3711

PRO SORRISO: Alfenas – MG

Rod. M. G. 179 km (UNIFENAS) Universidade de Alfenas – Caixa Postal 23

Telefone: 35 3299-3182

REDE PROFIS: Bauru -SP

Rua Silvio Marchione, 3-20

Telefone:14 3235-5699

SOBRAPAR: Campinas – SP

Hospital Sobrapar – Crânio e Face – Av. Adolpho Lutz, 100, Cidade Universitária, CEP 13083-880
Telefone: 55 19 37499700

Esses são alguns centros e associações, porém existem muitos mais. Você consegue fazer uma busca mais detalhada por estados brasileiros através do site da Operação Sorriso  e no da Smile Train. Nesses sites você encontra os centros parceiros dessas ONGs e também médicos particulares que fazem o tratamento mais perto de onde você mora. Para quem não conhece, essas são organizações não governamentais que abraçam a nossa causa e lutam por sorrisos ainda mais lindos. Ah! Sabia que você também pode contribuir com muitos sorrisos através de doações, entre nos sites e veja como pode ajudar.

Além disso, na internet podemos contar com alguns blogs/comunidades bem bacanas sobre fissura. Onde podemos vivenciar de perto o que algumas mamães passam ou já passaram com seus pequenos. Eu sigo alguns e vou deixar aqui registrado para que vocês também tenham acesso à eles:

As Fissuradas

A Luz do teu Sorriso

Um príncipe em minha vida

A Ilha da Maria Clara

Fissura lábio palatina O Blog

Lábios Compartidos

Com amor,

Ana Maria Poças.

CRFa 6-7185

#mamãefonoaudióloga: expressões faciais

mamãe fonoaudióloga

Bom dia!

A série #mamãefonoaudióloga vem mostrar hoje o porquê de estimularmos as expressões faciais e o conhecimento delas. A expressão facial é a forma mais comum de expressão das nossas emoções. É o meio que mais demonstra em detalhes as nossas emoções, funcionando como um facilitador na interação com o outro e reforçando a nossa mensagem enviada. Uma curiosidade é que o rosto humano é capaz de gerar aproximadamente 20.000 expressões diferentes. Muita coisa, né?! É interessante vocês saberem que muitas crianças têm dificuldades em reconhecer expressões faciais, como nos casos dos pequenos com características do transtorno do espectro autista e dos surdos. Existem também crianças com dificuldade de se expressar de maneira adequada condizente com o seu estado de espírito. Esta capacidade dos pequenos de produzirem e reconhecerem expressões faciais de emoção tem sido considerada como elemento central para a compreensão do desenvolvimento infantil nos seus aspectos cognitivo, afetivo e social. Portanto, nada melhor do que algumas atividades que podemos auxiliá-los nesse reconhecimento de expressões faciais. Vamos lá!?

  1. Com a intenção de proporcionar o reconhecimento de expressões faciais e também estimular as habilidades táteis cinestésicas, essas bexigas com diversos tipos de materiais dentro e com expressões diferentes são ótimas para os pequenos… principalmente os que estão encaixados no TEA (Transtorno do Espectro Autista).

07a7c1c78fcf572e16d383baf718c152

2. Com um espelho e uma folha de papel, podemos pedir as crianças que façam várias caras diferentes e tentem reproduzi-las no papel.5c8a9ef226b518912453123d15d025ad3. Com o formato do rosto desenhado em uma folha de papel, utilize massinhas de modelar para que a criança faça várias formas de expressão facial. Nessa atividade como nas outras também trabalhamos a coordenação motora fina e a criatividade.

46f892aae125c81411ad987124a5e13f

4. Com uma cartolina faça o molde em formato de um rosto com os seus itens: olhos, boca, nariz, sobrancelhas e bochechas.  Com a ajuda de um alfinete coloque os itens presos no rosto. Peça a criança para ir moldando o rosto de acordo com as emoções que você vai ditando. Exemplo: Faça uma carinha de feliz! Agora uma de raiva! Você também pode contar uma história onde a criança deve moldar o rostinho de acordo com o que vai acontecendo na história. Essa última é ótima para os mais crescidinhos!
52dea1c9e2dbdeda7787e5a4c1f87bfd

Com amor,

Ana Maria.

CRFa 6-7185

 

Bibliografia:

http://www.revispsi.uerj.br/v9n2/artigos/pdf/v9n2a04.pdf
https://psicologado.com/psicologia-geral/introducao/expressoes-faciais-das-emocoes-e-micro-expressoes-tendencias-e-contributos-da-psicologia-moderna
http://www.ebah.com.br/content/ABAAAfs_MAB/a-importancia-expressao-facial-na-conducao-ato-comunicativo

Ps.: Imagens retiradas do Pinterest.

Quarto, junto ou separado!?

Maternidade Real

Bom dia!

Não é novidade por aqui que estamos a espera da nossa Luna, a irmã do Raul. A espera não está sendo nada fácil! Sempre tento levar da melhor forma possível, mas esperar sem ter um prazo definido é um pouco “demais”, né?! Ainda mais quando o Raul me pergunta quando ela vai chegar e logo emenda a frase “Tá demorando DEMAIS, né mamãe!?” A ênfase é tão grande quando ele fala DEMAIS que coloquei ela em caixa alta para vocês pelo menos sentirem um pouco do que estou dizendo. Bom…  a meditação me ajuda muito nessas horas.

Desde quando decidimos que iríamos aumentar a família começamos a pensar se colocaríamos as crianças em um quarto juntas ou se faríamos quartos separados, uma vez que será um casal a dividir um quarto. A ideia inicial era colocá-los separados. Um novo quarto seria montado para a Luna, mas isso começou a incomodar a gente… Nós quase não temos paredes que dividem os ambientes em casa e temos somente uma TV desde quando casamos, isso porque conversamos sobre esse assunto e resolvemos iniciar nossa família priorizando o nosso convívio juntos, de uma forma mais unida e participativa. A conversa foi acontecendo e resolvemos não separá-los! Acreditamos que esse processo e convívio mais próximo dos meus pequenos os auxiliarão no processo de adaptação de ambos e até mesmo proporcionar um vínculo afetivo mais próximo dos dois.

Eu dividi o quarto com minha irmã até quando casei, e amava. Uma vez peguei todas as minhas coisas e montei um outro quarto separado só para mim, porém ao anoitecer já estava eu de novo no nosso quarto… risos. Meu marido tem duas irmãs e sempre dormiu em um quarto separado do delas. Ele me contou que passava a maioria das noites conversando, no quarto delas, até a hora que não aguentava mais e ia pro seu quarto, só pra dormir. Por meio dessas e outras experiências que vivenciamos e também por relatos de amigas minhas que têm mais de um filho, a nossa opção foi deixá-los juntos, até que eles mesmo decidam o que querem. Perguntamos ao Raul antes de optarmos por essa escolha e ele logo deu a opinião dele dizendo que queria dividir o quarto.

Dessa forma, o quarto do Raulzito transformou em quarto do Raul e da Luna. Já ganhou duas novas camas iguais, feitas pelo papai e pelo Raulzito, e cada um agora terá o seu lado do quarto para desenvolverem a própria personalidade. O Raul já escolheu o tema do lado dele, quando a Luna chegar ela escolherá o do lado dela… e assim vamos trabalhando o nosso psicológico para uma família maior e com muito mais amor!

Ah! E o assunto adoção já é muito bem resolvido aqui em casa e em todo o nosso círculo de familiares e amigos. Acredito que a naturalidade é o segredo. (Dica para quem está entrando agora no processo de adoção!) Assim como foi com a fissura do Raul, está sendo também com a adoção da Luna.

Com amor,

Ana Maria.

Primeiro dia de aula – Adaptação

Maternidade Real

 

Bom dia!

Passamos pelo período de adaptação na escolinha. Gente, como mãe sofre… eu quase morri nessa semana passada de ansiedade em deixar meu pequeno na escola. Para justificar esse meu sentimento, eu nunca deixei ele com ninguém que eu não conheço nem sequer por um minuto e de um dia pro outro tive que deixá-lo com um monte de gente que nunca vi na vida e por looongas 4 horas que pareciam ter uma infinidade pra mim.

A vontade de chorar foi enorme em muitos momentos… quando eu e Rodrigo fomos à primeira reunião antes de iniciar as aulas, quando entramos com o Raul na escola pela primeira vez, quando pisamos na sala de aula, quando eu percebi que ele já estava mesmo preparado para ficar sozinho, quando ele falou para professora em alto e bom som “Agora a gente já pode estudar?!” enquanto ela estava em uma roda contando para os pais a trajetória dela escolar, quando ele saiu da sala correndo e foi ao banheiro sozinho, quando um menino empurrou ele no parquinho e ele disse “Que isso, cara! Por quê você fez isso?” e por fim quando fui buscá-lo e vi ele sentando quietinho na sala de aula esperando para ir embora. O seu olhar quando me viu e apontou o dedinho indicador e deu uma piscadinha, querendo dizer “Oi, mamãe! Você está aí!” me fizeram chorar de emoção por dentro. Penso não ser a única que já engoliu inúmeras vezes o choro só para o filho não ver, não é verdade!? Ufa! Sobrevivemos ao primeiro dia de aula! Bom esse foi o meu processo de adaptação. Agora vamos para a parte do Raul.

Meu marido colocou uma palavra para descrever a adaptação do Raulzito na escola que descreveu infinitamente bem a sua adaptação que foi : Instantânea. Eu poderia também resumir a adaptação dele no seu primeiro dia de aula como o seguinte diálogo:

-Tchau, filho! Daqui a pouco voltamos para te buscar.

Ele sem olhar para traz, já emenda a frase falando para as professoras:

-Bom diiiaaa!

Fim!

E foi assim que tudo aconteceu. Simples, leve e com muita certeza de que meu pequeno já está super crescido (é complicado para as mães essa percepção de que o filho cresce… risos) e preparado para esse mundo que o espera.

Com amor e alívio,

Ana Maria.

2017-02-07-13-41-08