A escolha da primeira escola, uma visão psicológica – por Marcelle Camargo

Oi gente! Tudo bem com vocês?

Nos últimos tempos, tenho acompanhado a dificuldade de parentes e amigos que já são pais, na escolha de uma escolinha para matricularem seus pequenos. É uma decisão que não é fácil e, por esse motivo, tem que ser muito bem pensada.

É muito difícil para os papais de primeira viagem, deixar seu filho pela primeira vez na escolinha. Mas, muitas mães não têm saída, a licença maternidade acaba e iniciam-se as dúvidas e incertezas. Colocar o bebê em um berçário pode partir o coração a princípio, mas, se a escolha da escolinha for bem feita, os papais vão se sentir seguros. E, mesmo que a mãe tenha a oportunidade de ficar com seus filhos nos primeiros anos de vida, em algum momento, eles irão para a escola.

Educação é primordial e, por mais que ela tenha início em casa, a escola é uma extensão dos valores passados aos filhos. Por esse motivo, os critérios de decisão devem ser rígidos, principalmente, quando for escolhida a primeira escola, pois, é quando a criança sai do convívio familiar para um convívio mais amplo e precisa se sentir segura. Além disso, ao entrar na escola, a criança é inserida na sociedade, aprende a conviver com as diferenças, desenvolve-se como pessoa, desenvolve sua linguagem, constrói amizades e descobre suas competências.

Primeiramente, faça uma pesquisa dos valores e princípios da escola. O ideal seria que fossem os mesmos que os pais ensinam em casa, para que a criança os pratique em ambos os lugares e faça disso um hábito. Algumas perguntas podem ser feitas nessa etapa, como: “De que maneira a escola lida com indisciplina?”, “A escola é aberta e flexível para atender as demandas dos pais?”. Depois disso, conheça os professores que irão lidar com seu filho. Alguns aspectos a serem analisados, são sua formação, a didática de ensino, sua relação com as crianças, o prazer no que fazem e se a escola investe na atualização de seus profissionais.

A segunda etapa é pegar referências. Nada melhor que a opinião de outras pessoas para avaliar algum serviço. E, ao se aproximar de outros pais para pegar informações, você acaba descobrindo se eles têm os valores parecidos com os seus, o que reforçará sua decisão. Vale à pena ouvir a opinião das crianças da escola também, pois, são elas que estão ali dentro no dia a dia e podem afirmar se a escola pratica o que diz.

Pensar na localização da escola também é importante, caso tenha que chegar com rapidez ao local. Dê preferência às escolas perto de casa, do trabalho ou no meio termo.

Contudo, mesmo com essas dicas, somente depois que a criança começa a frequentar a escola é que os pais realmente terão conhecimento se a escolha foi boa. Todos os sinais da criança devem ser observados com muita atenção nessa fase. Se ela está feliz ou triste, se está apática, irritada, chorosa, se gosta ou não de ir para a escola, se está se entrosando com os coleguinhas.

A segurança que os pais passam para os filhos nesse início é fundamental. Devem conversar, explicar a importância da escola na vida das pessoas e não amolecer ao ver as lágrimas dos pequenos. Os pais devem facilitar a aceitação do novo ambiente através da sua presença e mediação com os professores. A relação entre criança e professor é primordial e os pais devem incentivar esse contato. A figura da mãe nunca será substituída, mas deve haver uma relação social onde seja construído um vínculo no qual a criança tenha confiança.

Espero ter ajudado vocês.

Um abraço,

Marcelle C. Carvalho

Psicóloga Clínica

CRP 04/37250

2016-03-01_15.17.01
Marcelle Camargo – Psicóloga Clínica CRP 04/37250 Instagram: @mazinhacamargo Twitter: @macamargo

Sexualidade Infantil – por Marcelle Camargo

Oi gente! Como vocês estão?

Estava com saudade de escrever para vocês.

Dessa vez, vim falar de um assunto que gera muita dúvida – a sexualidade – e, às vezes, mamães e papais não sabem como lidar com a curiosidade das crianças.

Antes de qualquer coisa, é importante salientar que, para o adulto, sexualidade tem a ver com erotização, diferentemente das crianças, que tem a ver com curiosidade e descoberta, sem maldade.

A sexualidade infantil inicia-se no toque entre mamãe e bebê. A fase oral, que vai dos primeiros meses aos dois anos da criança, concentra o prazer na região bucal, com a amamentação, que alivia a fome e enfatiza o vínculo afetivo entre mãe e filho.

Depois disso, entre os dois e três anos de idade, inicia-se a fase anal, que é quando acontece o chamado “desfraldamento”, onde a criança tem o contato real e visual com as suas necessidades fisiológicas e começa a controlar os músculos que comandam a bexiga e o intestino.

Posteriormente, entre os quatro e seis anos de idade, a criança vive a fase fálica, onde ocorrem as explorações e descobertas a respeito dos seus órgãos genitais, a percepção da diferença entre homens e mulheres e o maior interesse no corpo do outro. O toque em suas partes íntimas é recorrente, mas, nessa fase, não há malícia. Por esse motivo, os pais não devem chamar a atenção como se fosse algo errado ou proibido. Devem somente orientar e esclarecer as possíveis dúvidas.

Dos sete aos dez anos, a criança experimenta a fase de latência. É a fase em que a libido encontra-se adormecida. A criança canaliza sua energia em atividades intelectuais e sociais, estabelecendo vínculos de amizade e tende a formar grupos com crianças do mesmo sexo, os chamados “Clube do Bolinha”e “Clube da Luluzinha”.

A partir dos onze anos, as crianças começam o desenvolvimento corporal, as meninas, por exemplo, têm sua primeira menstruação. Os pais precisam se preparar para introduzir o diálogo sobre sexualidade, como gravidez, métodos contraceptivos e as doenças sexualmente transmissíveis, entre outros. Além de informar, essa atitude aproxima pais e filhos.

Todos nós, antes de sermos pais, somos filhos e, acima de tudo, seres humanos. Já passamos por todas essas dificuldades, descobertas, dúvidas, dilemas, desejos e vergonhas. E, como já experimentamos na pele essa experiência, deveria ser mais fácil ajudar as crianças de uma forma mais natural, sem tabus. Os pais precisam se informar, ler, se interessar em ajudar seus filhos e, mesmo assim, se ainda pintar alguma dificuldade, vale à pena procurar orientação profissional e trabalhar as formas de conversar sobre o tema. Não delegue a outra pessoa, a função de dialogar com o seu filho. Olhe bem nos olhos da criança e responda com franqueza, somente o que ela perguntar, não precisa explicar demais. A criança que pergunta, está pronta para a resposta. E, em um mundo com tanta facilidade à informação, se você não responder, ela pode procurar respostas em outras fontes não tão confiáveis.

Alguns de vocês podem estar se perguntando: “Será que tanta informação não acabará por estimular?”, ou então pensar: “Eu não recebi educação sexual e estou muito bem”. Pesquisas mostram que crianças esclarecidas tendem a ser mais responsáveis e adiem o início de sua vida sexual (até porque sua curiosidade foi devidamente saciada) até que amadureçam e tenham uma vida sexual mais saudável.

Não nascemos sabendo, somos frutos da educação que tivemos. Certamente fazemos o melhor que podemos, e é muito bom ter a oportunidade de repensar algumas situações e atitudes. Conquiste a confiança do seu filho e garanta a formação de adultos mais seguros.

Um abraço,

Marcelle Camargo