Afinal, o que é a fissura labiopalatina?!

mamãe fonoaudióloga

A fissura labiopalatina é uma má formação congênita, ou seja, causada antes mesmo do nascimento. As estruturas faciais de um fissurado têm crescimento normal, porém entre a 4ª e a 12ª semana da gestação ocorre um erro na junção dos processos faciais embrionários, causando a falta de continuidade das estruturas da maxila. As fissuras são as deformidades faciais mais comuns em todas as raças e grupos étnicos, tendo maior incidência na raça amarela (asiáticos). A cada 650 nascimentos no Brasil, 1 criança nasce com fissura. A causa desse erro no processo de formação embrionária é muito vaga, mas dentre as possíveis, podemos citar:

  • hereditariedade
  • alterações morfológicas maternas
  • diabetes materna
  • hipotireoidismo
  • stress
  • infecções maternas
  • desnutrição materna
  • uso de determinados medicamentos
  • radiação
  • uso de drogas e álcool durante a gestação

Existem quatro tipos de fissuras:

  1. Pré forame (fissura labial –  vulgo lábio leporino), pode ser unilateral ou bilateral
  2. Transforame (fissura labiopalatina), pode ser unilateral ou bilateral
  3. Pós forame (fissura palatina), pode ser completa (palato mole e duro) ou incompleta (palato mole)
  4. Submucosa (fissura palatina – de difícil diagnóstico)

O tratamento para a correção baseia-se em duas cirurgias básicas que ocorrem entre os três meses até os dezoito meses de vida. A primeira cirurgia, a labioplastia ou queiloplastia ocorre entre os terceiro e o sexto mês de vida, e a segunda, a palatoplastia ocorre após o primeiro ano de vida, podendo acontecer até os dezoito meses. Estas cirurgias têm como objetivo a reconstituição estética e funcional do lábio e do palato. Outras cirurgias podem ser necessárias no decorrer da infância e na adolescência, como enxerto ósseo e plástica reparadora para melhorar a aba do nariz.

A equipe multidisciplinar que acompanha o tratamento de crianças com fissuras é composta por: cirurgião plástico, otorrinolaringologista, psicólogo, fonoaudiólogo, dentista, ortodontista, enfermeiros e geneticistas  (em alguns casos).

Ana Maria Poças.

CRFa 6-7185

Fontes:

http://www.cefac.br/library/teses/5140194d8fd62046ca733a98281d160b.pdf

Spina VA. Proposed modification for the classification os cleft lip and cleft palate. Cleft palate J. 1979; 10:251.

Cardim VLN, Crescimento craniofacial. In: Altmann EBC. Fissura labiopalatina. Carapicuiba: Pró Fono: 1997.

Livro: Fissura Labiopalatina – Fundamentos para a prática Fonoaudiógica/Oragizadoras marisa de Sousa Viana Jesus, Camila Queiroz de Moraes Silveira Di Ninno. – São Paulo: Rocca, 2009.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s