Disciplina Consciente

Saber ensinar e educar é uma tarefa não muito simples, ainda mais quando estamos tentando transmitir valores aos nossos pequenos. Ensinar o que é certo e errado, ensinar a ter bom senso ou a obedecer regras é uma tarefa bem mais complexa do que imaginei. Li essa frase no livro verde da trilogia da Encantadora de Bebês, que me fez repensar muito: “A maioria das crianças escuta o que você diz; algumas fazem o que você diz para fazer; mas todas fazem o que você faz. (Katheleen Casey Theisen)”. E é em cima dessa frase que venho tentando construir o meu modelo de disciplina consciente para passar pro Raul.

Esse livro que citei aqui hoje foi, sem dúvidas, para mim o mais interessante dos três. Ele aborda coisas reais e situações que vivenciamos MUITO entre as idades de 1 a 3 anos. Me identifiquei com um monte de relatos e relembrei várias situações que passamos com o Raul e que agimos erroneamente achando estar acertando.

Raul está na fase que já faz chantagem emocional conosco e sabe manipular a situação para sempre tentar conseguir o que quer. Seja fazendo pirraça, chorando ou falando que ama e fazendo carinho. Claro que nessa última a gente sempre acha a coisa mais linda do universo mas sabemos que a real intensão dele é conseguir seu objetivo. Coisas de criança mesmo! Mas como lidar com isso?! Eu estava tendo bastante dificuldade em lidar com essas situações, além de me desgastar bastante durante o dia pedindo para ele umas 656484 vezes para parar de pular no sofá ou para parar de subir na mesa antes de perder a paciência e ir até ele para tirá-lo a “força”, sem contar as vezes que levanto a voz para ele. E isso é chato porque eu canso, ele chora e nós estressamos. E quando isso acontecia na presença de outras pessoas, principalmente avós ou pessoas mais velhas, eles contornavam a cena e ainda falavam: “Deixa ele! Ele é só uma criança!” ou “Aqui em casa pode!”. Essa situação estava se tornando muito desagradável!

Claro que Raul não é um menino muito birrento mas essas situações acontecem… Então, lendo o livro descobri uma Disciplina Consciente que vem me ajudando muito. Ela nos norteia para tornar a vida mais previsível para os nossos filhos, a definir limites que os façam sentir segurança, faz com que eles aprendam a fazer boas escolhas e a serem mais responsáveis. A Encantadora descreve doze ingredientes que listarei para vocês que visam ensinar o seu filho a ter autocontrole. Eles são:

  1. Conheça os seus próprios  limites – e defina as regras.
  2. Olhe para o seu próprio comportamento, para ver o que está ensinando ao seu filho.
  3. Escute a si mesma para garantir que você está no comando – e não seu filho.
  4. Planeje com antecedência e evite ambientes ou circunstâncias difíceis.
  5. Veja a situação através dos olhos do seu filho.
  6. Escolha suas batalhas.
  7. Ofereça opções de final fechado.
  8. Não tenha medo de dizer NÃO.
  9. Corte o comportamento indesejável pela raiz.
  10. Elogie o bom comportamento e corrija ou ignore o ruim.
  11. Não recorra a punições corporais.
  12. Lembre-se de que ceder não equivale a amar.

Esse capítulo do livro que trata a respeito desses ingredientes é o mais interessante, pois além de desmistificá-los vai dando dicas de como aplicá-los principalmente em momentos difíceis como descrevi aqui no texto. Fora isso tem mais uma regra facilitadora, a Um/Dois/Três, para viabilizar essa Disciplina Consciente. Tudo para te ajudar a manter seu autocontrole. Não é o máximo!

Recomendo a leitura do livro.

Com amor,

Ana Maria.

Meu parecer sobre o 1° Seminário Internacional de Mãe

Bonjour, pessoal!

Ontem aconteceu aqui em Belo Horizonte/MG, no hotel Ouro Minas, o 1° Seminário Internacional de Mães. Quem nos segue nas redes sociais já sabia que eu estava indo e que estava super ansiosa para esse dia. No decorrer desse texto vou contar tudo para vocês o que presenciei e como foi o dia.

Pois bem, cheguei lá as 08:00 em ponto. Quando chegávamos tinha uma equipe super organizada entregando os crachás. A equipe organizadora pediu por meio de um email, uma foto dos nossos pequenos para um mimo, e este mimo era o nosso crachá com o nosso nome e a foto dos pequenos. Olha a foto ai abaixo.

IMG_20150711_181307

Além desse crachá, tinham dois telões na frente do palco com essas mesmas fotos passando durante todo o seminário. Eu achei simplesmente um carinho tremendo para com as mamães. Não sei se as organizadoras fizeram de caso pensado, mas confortava meu coração só de ver o Raul às vezes no telão, já que ia ficar o dia quase todo longe do meu príncipe.

As organizadoras do evento eram duas veterinárias e que, junto com a revista Pais e Filhos, fizeram o evento. (Visitem o site  para maiores informações http://www.seminariodemaes.com.br) No evento tivemos seis palestras e muitos brindes e mimos, alguns vinham dentro dessa sacolinha fofa.

20150712_104157
O Raul deu uma desfalcada nela e já tava usando pra colocar brinquedos. 😂 Mas tinha muita coisa dentro dela (revistas, meia da Puket, bloquinho de anotações, caneta e milhões de propagandas dos patrocinadores). Após um dos intervalos, quando voltamos para o auditório, tinha mais um brinde na cadeira, um mordedor da MAM.

A primeira foi a da Mônica Figueiredo com o tema “Qual o desafio de ser mãe nos dias de hoje?”. Ela é jornalista da revista Pais e Filhos e que também conduziu todo o seminário apresentando e conversando com os palestrantes. Ela é uma figura! (risos) A segunda foi a da Cris Guerra, com o tema “A arte de ser mãe”. A palestra dela foi contando a sua história de vida. Como eu não a conhecia, achei o máximo! Ela também é jornalista e dona do site http://www.crisguerra.com.br. Gente entrem no Google e pesquisem sobre essa mulher. Super guerreira e tem uma história incrível! Ela foi a primeira a lançar esses blogs de look diários. Ela é muito irreverente! E o filho dela, o Francisco!? Uma fofura! A terceira palestra foi a do Luiz Alberto Hanns, psicólogo e psicanalista, autor do livro “A equações do casamento”. Essa sem dúvida foi uma palestra bem interessante, falou sobre relacionamentos dos pais e dos pais com os filhos. Gostei muito mesmo! Vou até comprar o livro e depois faço um resumão pra vocês. E como o tema da palestra dele é bem polêmica e muitas mamães ficam com o relacionamento abalado após a maternidade, nem preciso de comentar o tipo de perguntas que saiu após a palestra, né?! Aff… Bom, tivemos umas duas horas para almoçar e após o almoço as palestras mais esperadas por mim, a da Melinda Blau autora do best seller Encantadora de Bebês e a da Pamela Druckerman de outro best seller Crianças francesas não fazem manhã. A Melinda surgiu com o tema “Construção e gerenciamento da família”, dando dicas de como melhorar a nossa comunicação dentro de casa e dando exemplos de como aumentar nossa conexão com nossos familiares. Mais dicas nós encontramos no seu novo livro com o nome A encantadora de famílias, mas não se preocupem, também irei ler e conto pra vocês. Mas acredito que deva ser muito bom, assim como os outros que ela, junto com a Traccy Hogg, escreveu. A última palestra que assisti foi a da Pamela, com o tema “O que podemos aprender com os franceses sobre a criação dos filhos?”. Era a palestra que mais estava esperando, pois sou muito fã dos livros que ela escreveu. Para mim, a palestra não teve muita coisa diferente do que ela já escreveu no livro, mas foi muito legal vê-la falando português. Ela iniciou a palestra em português e depois passou para inglês para ficar mais a vontade na fala. (risos) Fofa demais, né?! Bom, fui pega de surpresa com uma enxaqueca terrível e que quase me causou um desmaio dentro da sala do hotel e fui obrigada a perder a última palestra da Laura Muller, que era um Talk Show com o tema: Sexo depois dos filhos. Fico devendo para vocês o meu parecer sobre essa palestra.

20150711_141205
Olha a Melinda aí… Ela passou por duas vezes do meu lado, mas não sei ser tiete gente… 😕 A vergonha é maior e a foto foi só de longe mesmo. 😢

No geral, o seminário foi bem legal! Bem organizado! Encontrei algums pessoas que eu conhecia e que nem imaginava que estariam lá. Fiquei sem internet durante todo o  dia e por isso não fiz Snapchat e nem atualizei instantaneamente as nossas redes sociais. Isso nós temos que agradecer a TIM! (Aff…) Enfim, não posso deixar que uma internet e nem uma dor de cabeça acabem com meu dia, né!? Fiquei sabendo que no twitter a revista pais e filhos estava transmitindo o congresso todinho pelo Periscope. Quem quiser dá uma olhadinha lá. Acho que elas já estão pensando no próximo seminário, pois dentro da sacolinha tinha um questionário com sugestões para o 2° Seminário de Mães.

No mais, algum leitor aí foi e quer nos contar a sua versão!?

Com amor,

Ana Maria.

Livro – A Encantadora de bebês resolve todos os seus problemas

Bom dia, gente!!!

Como falei no post sobre o livro da Tracy Hogg “Os Segredos de uma Encantadora de Bebês”, existem outros dois da mesma autora. O post de hoje será sobre o segundo da série “A Encantadora de Bebês Resolve Todos os Seus Problemas”. Nele vocês encontrarão segredos sobre sono, alimentação e comportamento do nascimento aos primeiros anos da infância.

Gente, quase pedi que me beliscassem para saber se estava mesmo lendo esse título do livro! (risos)  Resolver todos os meus problemas!? Imaginem que maravilha! E logo estava lá eu de novo, na fila do caixa comprando o segundo livro. Como no primeiro, o que mais me incentivou a comprá-lo foi o subtítulo.

Pois bem, nesse livro a autora descreve mais algumas táticas infalíveis para que entendamos nossos babies, como por exemplo a PC. Ter uma atitude PC significa agir com Paciência e com Consciência. Ter paciência é de suma importância para ser um bom pai ou mãe, segundo a autora. Ter consciência significa se policiar no que diz e no que faz para a criança. E esses atos e essas palavras devem ser constantes, porque a inconstância confunde a criança. Usando a atitude PC, você não dá brecha para a “paternidade acidental” acontecer. Mas o que é paternidade acidental!? Paternidade acidental é tudo aquilo que fazemos e sabemos que não é o certo, mas por motivos não pensados nas consequências fazemos para que um resultado seja obtido rapidamente. Um exemplo da paternidade acidental que eu fazia bastante era ninar o Raul no colo para ele dormir mais rápido. Um grande erro, porque ele começou a querer dormir somente no colo depois. Até hoje com quase 01 ano e 08 meses, na soneca da tarde (ainda bem que é só a tarde, porque haja braços e colunas que aguentem 11 kg) ele só dorme assim, no colo. Um outro exemplo é acalmar uma criança com a chupeta, dando o objeto sempre que precise que a criança fique quieta por algum tempo. Confesso que já tentei inúmeras vezes usar o método a tarde, mas ele sempre me vence pelo cansaço. Para que isso não aconteça, a Encantadora de Bebês sempre frisa que temos que começar como devemos continuar, minimizando assim esses possíveis erros da paternidade acidental.

Outros assuntos interessantíssimos abordados no livro, são as cólicas, os refluxos e os impulsos do crescimento, onde ela explica o que é e como agir diante deles. Nos mostra também como ensinar as crianças a serem emocionalmente bem ajustadas, esse capítulo é interessantíssimo. Raul estava passando por uma fase que queria me controlar o tempo todo e ficava bravo quando eu não fazia suas vontades. Isso começou há umas duas semanas atrás e ao reler o capítulo percebi que estava “deixando de lado” os limites que sempre dei a ele. Como voltei a trabalhar e ainda por cima meu local de trabalho é em casa, deixava ele fazer o que queria quando precisava de um tempo para escrever e resolver minhas coisas do trabalho. Na verdade isso me ajudava mas não ajudava o Raul. Ele estava ficando sem limites, o que para uma criança é muito ruim! Engraçado como não percebemos nossos próprios erros, não é mesmo?! Uma coisa que sempre preguei foi rotina e consequentemente limites para a criança. Enfim, mas este erro já foi sanado e voltamos com força e foco total na rotina e nos limites dele. (risos)

E por fim, ao reler o livro também lembrei que o último capítulo fala sobre desfraldar a criança. Em breve passaremos por isso aqui em casa, assim que começar conto para vocês. A técnica por ela estipulada é começar com o processo de desfralde entre 9 e 15 meses (Não segui esta técnica, pois acho muito cedo para a criança!), ela justifica bastante o porquê deste período da idade da criança, mas a explicação rápida é que ela condiciona o bebê a utilizar o vaso sanitário assim que ele já consiga sentar sem apoio. (Algum leitor do Blog utilizou esta técnica e deu certo!? Nos contem por favor!) Ela descreve a técnica ensinando os pais a como se prepararem e prepararem os seus bebês.

Bom, falta o último livro da trilogia e pretendo escrever sobre ele em breve pois ainda estou terminando de lê-lo. Só quem é mãe sabe como é difícil encontrar tempo para leitura, não é mesmo?! Mas tô dando conta e acho que até semana que vem termino e conto pra vocês.

Com amor,

Ana Maria.