Aquisição dos sons da fala das crianças – um assunto fonoaudiológico

Bom dia!

Quando falo que sou fonoaudióloga as primeiras perguntas que me fazem principalmente quando a pessoa tem filho é: “Meu filho ainda não fala tal letra é normal?” ou “”Meu filho tem tantos anos e troca algumas letras quando está falando, devo procurar ajuda?”. Para auxiliar nessas dúvidas escrevo este post.

Quando exatamente uma criança deve começar a falar é muito subjetivo, pois cada criança possui um tempo particular para começar a emitir os primeiros sons, as primeiras sílabas, as primeiras palavras e consequentemente as primeiras frases. Em torno dos 18 meses a maioria das crianças já está emitindo suas primeiras palavrinhas. Muitas delas são: mamãe, papai, o nome do cachorrinho, da avó, da tia, do irmão e por aí vai. Já escrevi um post sobre aquisição da linguagem aqui no blog e para quem não lembra o link está aqui: O desenvolvimento da linguagem da criança, o que esperar?! Porém senti necessidade de escrever sobre quando podemos esperar o aparecimento de cada fonema ou som na fala dos nossos pequenos. Mas antes vou fazer uma observação sobre o que é fonema e o que e letra. Fonema corresponde ao som que uma letra possui e a letra é a representação gráfica desse som. Vamos exemplificar: o fonema /s/ por exemplo está presente nas letras s, ç, ss, sc, sç e em algumas vezes até no z. Deu para entender?! Espero que possa ajudar algumas mamães e papais perdidos nesse assunto. Vamos lá?!

12 aos 18 meses: As crianças já sabem usar os sons do p, b, t, d, c, g, n e m. Uma observação que farei para os papais de crianças fissuradas (ainda não operadas) é que seus pequenos podem apresentar alguma alteração na emissão desses sons, por causa da pressão intraoral que eles ainda não possuem para produzi-los devido o palato (céu da boca) ainda estar aberto.

+ 18 meses: surgem os sons v, f e o nh.

+- 24 meses: aparecem os outros fonemas que chamamos de fricativos os sons do s, z, ch, x e o j. No finalzinho dos 2 anos começa a aparecer o som do l.

Após os 3 anos: as crianças já falam a maioria dos sons, ficando para ser adquirido os sons rr, lh e por último o som do r no meio de palavras, como por exemplo: barata.

Com 5 anos de idade a criança deverá ser capaz de produzir todos os sons da nossa língua. Lembrando que nesse nosso imenso Brasil temos uma enorme variedade de fonemas em uma mesma letra e jeitos de produzir e usar esses sons em uma mesma letra diferente. Por exemplo, o rr que usamos aqui em Minas Gerais é diferente do que usam no sul do país e do que usam no nordeste do país. E assim existem outras diferenças.

Se você tem alguma dúvida em relação à linguagem do seu pequeno, procure um fonoaudiólogo, pois uma alteração de fala pode ser melhorada ainda na aquisição dos sons. É importante saber que uma fala inadequada acarreta alterações futuras na linguagem escrita e no processo de aprendizagem, justamente por essa variedade de sons que existem e se a criança apresenta algum desvio na forma de emitir os sons pode atrapalhar no processo de transcrever o som para a sua forma gráfica, ou seja, a letra. Por isso, não deixe para depois! Se tiver dúvidas é melhor saná-las o quanto antes. Ah! Outra dica é: seja sempre o exemplo de fala do seu pequeno. Fale corretamente para que ele aprenda com você. Quer aprender como estimular a fala do seu filho?! Lei aqui outra dica: Estimulação de linguagem.

Com amor,

Ana Maria Poças

CRFa 6-7185

A idade ideal para colocar os filhos na escola

Bom dia!

Quando Raul começou a andar já começaram a me perguntar quando o colocaria na escolinha e foi então que comecei a pensar em qual seria a idade ideal para que isso acontecesse. Foram inúmeras pesquisar lidas desde pedagogos e psicólogos relatando esse momento de ingressão das crianças na escola, uns a favor de colocá-los bem cedinho e outros contra. Li até artigos de homeschooling que agora no Brasil já está sendo “aceito” pela sociedade. Minhas principais perguntas eram: No que me ajudaria e em que o Raul seria beneficiado colocando-o na escolinha antes dos três anos de idade?! Enfim, ao analisarmos os prós e os contras decidimos, então, que só o colocaria depois que ele completasse três anos e resolvi explicar o motivo de optarmos por não colocá-lo ainda.

O principal motivo é porque o meu trabalho é em casa, e são pouquíssimas as vezes que preciso de sair para trabalhar. Então me comprometi a ficar com ele e cuidar da casa. Quando eu preciso sair deixo-o com minha avó, minha mãe, minha sogra ou minha irmã. Tenho muita sorte de ter quem tome conta dele para mim quando preciso. Mas se eu não trabalhasse em casa, com certeza contrataria alguém para cuidar dele enquanto eu fizesse a minha jornada de trabalho.

Aqui no Brasil a entrada na escola acontece bem cedo, em outros lugares as crianças vão ingressando aos poucos, algumas horas na semana, depois algumas horas por dia e assim vai até estar totalmente adaptado na escola. Por aqui a criança mal-mal nasce e logo já iniciam as perguntas “Ele já tá na escolinha?” Isso se deve ao fato das mães precisarem trabalhar fora, falta de apoio do governo em relação à maternidade, ou simplesmente por cobrança da sociedade. Sinto isso na pele, até a pediatra do Raul me pressiona para colocá-lo na escola. Eu não vejo necessidade (no nosso caso) de colocar o Raul na escola, até o momento, porque eu o estimulo em casa. Vou ensinando-lhe as coisas que aprenderia na escola com a idade em que está. Coisas como cores e números, incentivo às habilidades motoras e psíquicas e a socialização, que muitos pregam ser necessário para o desenvolvimento da criança, mesmo ela só acontecendo, de verdade, após os três anos em meninos. O que me ajudou também a tomar esta decisão foi a leitura de muitos artigos que descrevem o desenvolvimento do cérebro de meninos e meninas e suas diferenças. Um exemplo: antes dos três anos os meninos, principalmente, precisam de referência em casa, referência dos pais. Necessitam de uma atenção maior da mãe para que desenvolva segurança e seu cérebro adquira habilidades de comunicação e inteligência emocional. Alguns autores afirmam que meninos são mais propícios a ficarem ansiosos por causa da separação e se abaterem por terem sido “abandonados”. Isso pode desenvolver um comportamento mais agressivo quando ainda estão pequenos e carregar, para o resto da vida, esse “trauma”. Os mesmos estudos pontuam que os meninos precisam primeiramente aprender a respeito da confiança, cordialidade, prazer, intimidade e bondade. E somente após isso vem a tão cobrada “socialização”. Essa eu acredito não estar somente relacionada à escola. Podemos conquistá-la desde sempre em pracinhas, no playground do prédio, em atividades físicas como natação, artes marciais etc., onde tiver crianças e outros seres humanos ela está sendo estimulada. A não ser que você fique trancada 24 horas por dia em casa com uma criança, que não é o meu caso. Raul convive com outras crianças, tem primo e amiguinhos e desde que tomou as vacinas de três meses de vida o levamos para onde vamos e achamos que seria interessante para ele estar. Ano que vem, já estamos planejando ingressá-lo em uma escola de idiomas em alguns dias da semana. Além de proporcionar-lhe momentos de atividade física. Mas, na escola tradicional ainda não decidimos em qual colocá-lo. Ainda estou pesquisando sobre metodologias e pensando em quais critérios adotarei para a escolha da escola. Quando esse assunto estiver mais corriqueiro em nossa vida, eu escrevo contando para vocês como escolhi e quais foram os critérios adotados para que fizéssemos a escolha da escola.

Ressalto que é uma decisão nossa a opção de não colocar Raul na escola, por questão de opinião e de metodologia adotada na educação do nosso filho. Não sou contra quem coloca na escola desde bebê, mesmo porque quem sou eu para julgar alguém. Deus foi extremamente bondoso comigo para que eu pudesse ficar em casa e cuidar do meu filho e sei que muitas mamães não podem fazer o mesmo (ou até mesmo não têm vontade de fazer o mesmo).  Por esse motivo, agradeço sempre e faço por onde fazer o possível para que esse nosso tempo juntos seja sempre o melhor e o mais proveitoso. Enquanto isso, vou me preparando psicologicamente para o primeiro dia na escolinha, porque creio que para as mamães não deva ser nada fácil.

Com amor,

Ana Maria.

#mamãefonoaudióloga: Como estimular seu filho em casa

Bom dia!

Já sabemos que a estimulação na vida de um ser humano (aliás de quase todo ser vivo) é tudo e que sem ela não aprenderíamos quase nada. Para falarmos, precisamos escutar alguém falando e nos ensinando como produzir os sons, para caminhar é preciso que alguém nos auxilie a darmos os primeiros passos e é assim com quase tudo. O nosso cérebro trabalha com estímulos, por causa disso, quanto mais você estimula uma criança mais ela aprende e mais rápido adquire o seu desenvolvimento global.

Podemos utilizar tudo o que fazemos durante o dia com os nossos pequenos para estimulá-los, como por exemplo: se você vai dar um banho na criança, vá conversando, ensinando-lhe as partes do corpo, dê a ela o sabonete e a bucha para segurar, para sentir a diferença tátil entre eles; se vai escovar os dentes deixe que ela o ajude, para já ir treinando a coordenação motora; se vai cozinhar deixe que ela brinque com panelas ao seu lado, para incentivar a criatividade e a imitação. Viu só, como podemos tirar proveito de tudo!? Até nas nossas mais simples brincadeiras com nossos bebês estamos os estimulando das mais diversas formas. Mas se você antes souber o que se pode conseguir com cada brincadeira, ela vai ficar mais especial para você e pro seu pequeno. Se ele tem uma bola azul, já vai dizendo “olha que bola azul linda que você tem, será que tem outra coisa azul aqui no seu quarto?!” com essa simples frase você está estimulando seu pequeno a conhecer as cores, a parear e a usar o raciocínio lógico induzindo-o a procurar por outros objetos que sejam da mesma cor.

Abaixo tem algumas fotos que tirei das brincadeiras que faço com o Raul aqui em casa e que aproveito para estimulá-lo das mais diversas formas. Vou deixar em cada foto os meus objetivos com a brincadeira. São só alguns exemplos, mas, que ajudarão vocês a elaborarem e a planejarem melhor os objetivos das suas brincadeiras.

collage4_wm
A atividade visava trabalhar cores, formas geométricas, coordenação motora fina e raciocínio para encaixar as peças nos lugares certos.
collage5_wm
A atividade visava estimular o conhecimento de cores e coordenação motora fina.
collage6_wm
Nessa atividade trabalhamos equilíbrio, coordenação motora fina e grossa, cores e elaboração de estratégias.
collage8_wm
Com essa atividade trabalhamos formas geométricas, cores, pareamento e coordenação motora fina.
collage1_wm
Brincar de bola trabalha a coordenação motora, o equilíbrio, a propriocepção e a lateralidade.
20150623_091207_wm
A atividade era passar os carrinhos dentro da “estrada”. Trabalhamos coordenação motora, relação espacial e concentração.

Uma brincadeira não é, e não deve ser, uma simples brincadeira. Aproveite para estimular seu pequeno, vocês dois ganharão com isso!!!

Com amor,

Ana Maria Poças.

CRFa 6-7185.