Papinhas?! Como facilitar sua vida em relação a elas.

Bom dia!

Vendo o sofrimento da minha irmã nesses últimos meses com o fato de além de cuidar da casa, do marido, do filho, do cachorro e ainda por cima pensar todos os dias em um cardápio diferente para o meu afilhado, me inspirei a escrever esse post dando uma dica de como fazia aqui em casa com o Raulzito. Essa dica facilitava bastante nesse época tão complicada que é quando o bebê está engatinhando, pois ele exige muito de você e a atenção deve ser redobrada com os acidentes.

Pois bem, como eu fazia aqui em casa: eu tirava um dia na semana para fazer as papinhas da semana toda. Fazia do almoço e da janta, logo eram 14 potinhos de comida que eram feitos e congelados. Estou falando papinha, mas na verdade eu não batia no liquidificador (exceto quando estava na época do pós operatório), só mesmo cortava em pedacinhos pequenos e pronto. Se você utiliza o método tradicional de papinhas ou o BLW, dá na mesma, o que facilita é você colocar cada refeição em um potinho e congelar. Nós compramos esses potinhos de plástico que pode ir direto do congelador para o microondas para armazenar as comidas prontas. Rodrigo fazia um cardápio por dia para Raul não enjoar e ter sempre variedades nutritivas no prato, quer dizer no pote. risos… Como eu não tinha muito tempo para cozinhar durante o dia, eu fazia e congelava as refeições também para mim. Já cozinhava o arroz, o feijão e os legumes, guardava em porções separadas e pronto. Quando estava com fome, era só pegar, descongelar e só restava a carne para grelhar na hora. Com a salada crua, eu lavava as folhas todas, secava, e guardava dentro de um saquinho na geladeira. Quando ia comer era só pegar, colocar no prato e temperar.

collage0_wm
Fotos das papinhas do Samuca

Pode ter certeza que o dia que você tirar para fazer as papinhas, pode até ser um pouco cansativo. Mas o bem estar que te dá durante a semana e a tranquilidade em não ter que se preocupar em fazer almoço e janta, enquanto seu filho está tentando escalar o móvel da televisão, desenhando na parede, subindo a escada sozinho ou tentando enfiar alguma coisa na tomada… é bem maior! Eu faço isso até hoje. Ah… outra coisa que também fazemos aqui em casa é sempre deixar tudo lavado e higienizado quando vem da feira. Quando chegamos já lavamos todas as frutas e verduras e guardamos na geladeira ou na fruteira, pronta para o consumo.

E você pode se questionar sobre os nutrientes quando são congelados, se eles perdem ou não. A perda de nutrientes no congelamento é bem pequena e não vai prejudicar em nada a vida do seu bebê. O congelamento é o método de conservação que apresenta menores possibilidades de provocar perda de valor nutritivo nos alimentos, segundo o autor Gwen Conacher no livro Manual da Cozinha Congelada. A perda de nutrientes é bem mais significativa no momento do cozimento. (Veja o post do nosso Gastrônomo Cortes facilitadores para introdução alimentar) Sem contar que é bem melhor você dar uma comida congelada feita por você, do que você recorrer as papinhas prontas industrializadas e cheias de conservantes. Não é mesmo!? O ideal é que se consuma os alimentos que foram congelados em até 30 dias.

Se você quiser sugestões de cardápios, nós já colocamos algumas combinações aqui no blog. Clique para você ler de novo no post Cardápio pós cirurgia. Facilite sua vida, para sobrar mais tempo para os pequenos!

Com amor,

Ana Maria Poças.

#mamãefonoaudióloga: Mastigar é preciso!

A mastigação é uma das funções do nosso corpo. Ela é muito importante para o desenvolvimento craniofacial e para o fortalecimento da musculatura orofacial. É a fase inicial do processo digestivo e para que ela ocorra harmoniosamente é necessário uma coordenação de vários músculos e nervos do nosso corpo. A sua função é reduzir o tamanho dos alimentos para serem mais facilmente digeridos.

O processo de mastigação inicia por volta dos 5/6 meses de vida, que pode coincidir com o nascimento dos primeiros dentinhos. E cabe a nós pais e cuidadores oferecermos a maior variedade de textura de alimentos para os nossos bebês. Desta forma promoveremos à criança uma maior estimulação para o processo de desenvolvimento dessa habilidade de mastigação. Mesmo os bebês tendo somente os dentes da frente, ou mesmo ainda banguelinhos, já exercitam o ato de mastigar, mantendo contato entre as gengivas e com isso já vão treinando para depois comerem um belo prato de arroz com feijão.

Enganam-se os pais, que pensando estarem ajudando no desenvolvimento do processo de mastigação e da deglutição, facilitam a consistência dos alimentos passando-os pela peneira ou batendo-os no liquidificador. Mastigar é preciso e quanto antes iniciar melhor para o desenvolvimento dos nossos pequenos.

Mas quando iniciar com a mastigação?! Bem, a introdução de alimentos que não seja o leite deve ser iniciada entre os 5/6 meses justamente na época que começa a maturação neurológica para que essa nova etapa seja estimulada. Antes converse com seu pediatra a respeito, por exemplo, o Raul iniciou esta etapa aos três meses, devido à cirurgia que o esperava. Vamos às dicas para estimularem a mastigação dos pequenos:

*Evite bater no liquidificador ou passar os alimentos na peneira; *Amasse com um garfo os alimentos, para que a criança possa se acostumar com as texturas;

*Prefira as colheres de silicone, elas além de oferecem mais segurança caso o bebê venha a mordê-las, não esquentam como as de metal;

* Ofereça alimentos de texturas variadas, assim estimulamos também as sensações;

*Ofereça as frutas e os legumes picados (Veja o post do BLW, quem sabe vocês não animam a fazer!?)

*Estimule seu filho a comer todos os tipos de alimento.

Com amor,

Ana Maria Poças

CRFa 6-7185

Ps.: Achei este artigo científico muito legal que tem como título: Início do processo de mastigação, O que pensam as mães e cuidadores. Segue o link para quem quiser dar uma lida.

http://www.cefac.br/library/teses/527af65c25b31b13215d87c19731e89e.pdf

Cardápio pós cirurgias 😀

Bom dia, pessoal!!!

Com a cirurgia do palato chegando, minha preocupação é não perder a qualidade da alimentação do meu Raulzito. Pensando nisso fui em busca de papinhas super nutritivas e equilibradas para que ele não perca peso no pós operatório. Como ele deverá ficar comendo somente comidas líquidas e pastosas durante 30 dias o ideal é que tenha sempre novidades para ele não enjoar, assim não tornando mais “dolorosos” estes 30 dias.

Abaixo seguem trinta opções de papinhas para vocês fazerem para seus filhotes. Estas papinhas servem não somente para o pós operatório como também para os bebês que estão na fase da introdução da alimentação pastosa.

O modo de preparo é o mesmo usado para fazer uma sopa, refogue primeiro os temperos de sua preferência como alho e cebola, após isso adicione a carne e logo em seguida os outros ingredientes. Depois acrescente água para que os alimentos cozinhem.

Gente, por favor!!!! Não façam papinhas sem tempero!!! As crianças precisam conhecer o sabor da comida e ter prazer em comer. Eca em comida sem gosto, não é mesmo!?

 Papinhas com carne vermelha:

1. Carne, abóbora, batata e couve.

2. Carne, beterraba, batata e couve-flor

3. Carne, abóbora, feijão, macarrão e brócolis.

4. Carne, cenoura, fubá e couve.

5. Carne, cenoura, feijão e espinafre.

6. Carne, feijão, macarrão, espinafre e brócolis.

7. Carne, cenoura e cenoura amarela (mandioquinha).

8. Carne, abóbora e escarola.

9. Carne, abobrinha, batata e beterraba.

10. Carne, cenoura e batata.

11. Carne, cenoura, cenoura amarela (mandioquinha).

12. Carne, inhame, chuchu e brócolis.

13. Carne, chuchu, cenoura amarela (mandioquinha) e cenoura.

14. Carne, cenoura, cenoura amarela (mandioquinha) e couve.

Papinhas com frango:

1. Frango, batata, chuchu, beterraba e acelga.

2. Frango, lentilha, arroz, cenoura e espinafre.

3. Frango, macarrão, ervilha, abóbora e couve-flor.

4. Frango, cenoura e abóbora.

5. Frango, beterraba, batata doce e escarola.

6. Frango, cenoura e batata.

7. Frango, beterraba e batata.

8. Frango, beterraba e inhame.

9. Frango, arroz, ervilha, cenoura e espinafre.

10. Frango, batata doce e 1/2 talo de alho poró.

11. Frango, cenoura e cará.

12. Frango, cenoura amarela (mandioquinha), beterraba e escarola.

Papinha de peixe:

1. Peixe, batata, abobrinha e suco de 1/2 maracujá.

Papinha sem carne:

1. Chuchu e cenoura.

2. Ovo, abobrinha e batata.

3. Macarrão, feijão, abóbora e brócolis.

Obs.:

– O feijão e a lentilha já devem estar cozidos ao colocar junto com os outros ingredientes.

– As carnes podem ser qualquer uma e podem ser trocadas também por peixe e frango.

– As papinhas são somente sugestões de combinação que faço aqui em casa pro Raul.

Com amor,

Ana Maria.

1397053499744_wm
Incentive seu filho a comer desde novinho sozinho.