#mamãefonoaudióloga: atividades para coordenação motora fina

Bom dia!
Hoje vamos falar de atividades que auxiliam na coordenação motora fina, mas antes de mostrá-las eu gostaria de explicar a sua importância na vida dos pequenos.

A coordenação motora é a capacidade que temos de usar e controlar nossos músculos para realizar determinado movimento do nosso corpo, por exemplo engatinhar, andar, falar, dançar, escrever… Essa capacidade está dividida em duas partes a coordenação motora fina e a coordenação motora grossa. A fina está relacionada com as atividades que requerem o movimento dos pequenos músculos do nosso corpo. Esses movimentos são delicados e específicos, como: desenhar, digitar, abotoar uma camisa, colocar o cadarço no tênis, encaixar peças de brinquedos, usar uma tesoura, escrever, coordenar os movimentos das mãos e dos olhos, movimentar os olhos e os lábios etc. Viu, como desenvolver essa habilidade é muito importante?! Vamos para as atividades?!

1- Com macarrões e um isopor com pregos podemos deixar que os pequenos utilizem suas habilidades motoras finas. Olha que legal!

6b28474fc46faa5e3570723037793fa9

2- Com canudinhos cortados em pedaços menores e um barbante, podemos incentivar não somente a coordenação motora fina, mas também a criatividade. Podemos criar cordões e pulseiras. =)

498961d4d5a6bf41e4fb1766bcfcbcf2

3- Com alguns parafusos presos em uma tábua podemos também treinar a coordenação motora fina, solicitando que a criança atarraxe as ruelas.

d20d7605e93c57959f9a2d9834d61835

5- Em um pratinho de isopor ou de papelão faça furos e peça a criança que vá alinhavando os buracos com um pedaço de barbante.

c6aef505e2ebddeeddf0b947a1d4eda3

Dica: Brinquedos de encaixe em geral também são grandes estimuladores de coordenação motora fina.

Com amor,

Fga Ana Maria Poças

CRFa 6-7185

Ps.: As imagens do corpo do texto foram retiradas do Pinterest.

 

#mamãefonoaudióloga: atividades sensoriais

Bom dia!

Hoje darei dicas de como estimular os pequeninos para que eles desenvolvam as sensações táteis, cinestésicas, visuais, auditivas e olfativas. Mas antes vou explicar porquê devemos estimular estas sensações e no que elas são importantes.

Os nossos cinco sentidos do corpo humano são: a visão, a audição, o paladar, o olfato e o tato e é por meio dos cinco sentidos que nós podemos ver, ouvir, falar, sentir e experimentar o que nos é apresentado ao nosso redor em uma conexão complexa e perfeita de todo o nosso corpo. Por meio desses sentidos é que nós trazemos os ensinamentos fundamentais para o conhecimento e aprendizagem dos pequenos, visando que eles conheçam o próprio corpo, estimulando assim  o desenvolvimento integral.  Os estímulos, nos primeiros anos do desenvolvimento infantil, são decisivos e fundamentais para a formação da personalidade de uma criança. O nosso cérebro é dividido em dois hemisférios: o esquerdo, que está voltado à área da lógica, do raciocínio, do cognitivo e da fala, e o direito, que atende a área do lúdico, da imaginação, da criatividade e das sensações e emoções. Nós costumamos usar somente o lado esquerdo, por isso é muito importante que ajudemos os nossos pequenos a utilizar os dois lados sempre. O cérebro infantil já traz os neurônios de toda vida, lembram quando falei que a criança parece uma esponjinha!? Pois é… o cérebro está sempre pronto para se desenvolver e ser preenchido com estímulos. Os sentidos bem estimulados na infância auxiliam na qualidade de vida adulta, pois fortalece e desenvolve as outras fases do crescimento, proporcionando uma vida adulta com qualidade, equilíbrio e produtiva.

Vamos então às atividades simples e de grande utilidade para a estimulação sensoriais dos nossos pequenos.

  1. Com uma caixa reciclada, fazemos furos e amarramos pedaços de fitas de várias cores e larguras. É um passatempo riquíssimo para os bebês. 84280332db6911780c4d69495ae10757
  2. Em uma vasilha ou um tabuleiro, coloque milho, areia, feijão, arroz ou o que você tiver em casa e espalhe brinquedos para a criança possa sentir a textura dos objetos.5d132e6950bd00a1baf150043d38c1ad
  3. Com um papelão, você pode fazer um enorme tapete de estímulo sensoriais. Pegue e cole coisas de diferentes texturas onde a criança pode receber vários estímulos ao mesmo tempo. Olha que ideia genial! E você pode montar o seu da maneira que quiser, utilizando coisas que você já tem em casa. Eu adoro esse tipo de tapete!93e2bb682c03cada20342c9351d04754

Esses Potes da Calma Ou Calming Jar eu já ensinei aqui no blog como fazer (Pote da Calma). É um estimulador fantástico e muito completo! Nessa ideia que achei no Pinterest, a pessoa fez as os potes que remetessem às estações do ano. Eu achei muito legal porque além das sensações podemos trabalhar as estações de forma lúdica. Não ficou lindo?!aebc837ee8bc8acc89f1053b6c871dcf

Com amor,

Fga Ana Maria Poças

CRRa 6-7185

Ps: As imagens do texto foram tiradas do Pinterest.

#mamãefonoaudióloga: atividades de atenção e concentração

Bom dia!

Quem convive com os pequenos sabem que nem sempre é uma tarefa fácil conseguir que eles fiquem atentos a uma atividade ou que simplesmente prestem atenção no que você está falando, não é mesmo?!  Muitas das vezes damos ordens e nada deles obedecerem. Parece até que têm a audição e a atenção seletiva, só escutam o que querem. Parar por um instante só acontece quando algo os despertem mesmo o desejo de estarem ali, naquele momento.

Mas por quê são assim? Simplesmente pelo fato do cérebro deles estar a 1000 por hora. É como se eles fossem uma esponjinha jogada dentro de uma bacia de água e que quer sugar toda a água… Porém, precisamos da atenção e da concentração para promover o desenvolvimento dos nossos pequenos e os ajudarem a canalizar esse aprendizado da melhor forma possível. A atenção deve ser estimulada porque tem um papel fundamental para que o aprendizado ocorra e também porque é a base do desenvolvimento das outras capacidades psíquicas como a memória, o raciocínio e a imaginação. Uma das características da atenção é a concentração. A concentração da atenção implica em voltar sua atividade mental para um determinado espaço ou atividade.

Vamos ver como podemos ajudar os nossos pequenos a desenvolver essas habilidades tão importantes para o aprendizado?! Selecionei algumas brincadeiras usando muito pouco e que são fantásticas para estimular a atenção e a concentração. Olha só:

  1. Que tal um jogo de memória fugindo do tradicional. Este você faz com pratinhos de festa e canetinha coloridas. Só fazer pares utilizando a mesma cor da canetinha e o contorno das próprias mãos da criança.9da7fbf8ca7e473e502e19c1cf0ca5ca
  2. Aqui você vai precisar de um papel com quadradinhos coloridos desenhados de cores diferentes e círculos de papéis que têm as mesmas cores dos quadrados. Depois é só solicitar à criança que coloque os círculos na cor correspondente. 458152da211a2b713e97e992c33799a6
  3. Reciclando uma caixa de ovos e utilizando pecinhas de lego, você deverá fazer cartilhas que tenham o número e o formato exato da caixinha de ovos, e fazer cada quadradinho de uma cor diferente. desta forma a criança deverá reproduzir a sequência de cores na caixinha utilizando as peças de lego.20aadaf32068743748b01c80ade7083e
  4. Com um pedaço de papelão, você deverá desenhar uma sequência de formas geométricas e fazer utilizando outro pedaço as mesmas formas geométricas da sua sequência e recortá-las. Assim, é só solicitar a criança que as coloque em cima da forma correspondente.

ab8a7e2214a5b35f00cdace720f4e954

O legal é construir os brinquedos junto com os pequenos, pois, fazer com que eles participem de toda execução e planejamento da brincadeira estimula mais um monte de habilidades. Além disso, eles se sentem muito importantes e satisfeitos por ajudarem. Cada atividade dessas, além da concentração e da atenção, estimula também mais algumas habilidades como a coordenação motora, a linguagem, o raciocínio, o pensamento, a percepção tátil sinestésica, a percepção espacial, o conhecimento das cores, a lateralização, o conhecimento das formas geométricas etc. Brincar é sempre bom! É brincando que a gente aprende.

Com amor,

Fga Ana Maria Poças

CRFa 6-7185

PS.: As imagens do texto foram tiradas do Pinterest.

#mamãefonoaudióloga: O por que dos porquês?!

Bom dia!

Por que o cachorro come ração? Por que está de noite? Por que não existe mais dinossauro? Por que o Batman não voa? Por que isso mamãe? Mas por que, papai? Chegamos na fase dos porquês do Raul… Confesso que muitas das vezes minha criatividade já não permite mais atender às suas perguntas e as respostas acabam resultando em mais perguntas sem respostas. Lembro-me que na faculdade tive algumas aulas sobre as fases de Jean Piaget, para quem não conhece foi um psicólogo e educador suíço, que descreve as fases que as crianças vivenciam. Mas somente agora as venho entendendo e vivenciando, na prática, cada uma delas.

Jean Piaget nomeia essa fase dos porquês como período pré operatório e é justamente nessa idade entre três e quatro anos que ela costuma aparecer. O período pré operatório é também chamado de estágio da Inteligência Simbólica, pois, é a fase em que as crianças conquistam a capacidade de criar imagens mentais sem que elas estejam presentes. Elas conseguem observar e sentir muito mais estímulos do que conseguem entender, por isso os porquês. Perguntam o porquê devido a essa incansável busca pelo conhecimento e entendimento. A criança quer entender, perceber, conhecer a si mesma e aos outros, perceber o comportamento, perceber as regras, os modos de agir, o mundo que a cerca … E nós, pais, somos os escolhidos para responder aos seus porquês por sermos os seres que elas têm mais confiança. Muitas das vezes é chato a situação que elas nos colocam, com a insistência de uma resposta, principalmente porque alguma das perguntas não têm respostas, já que fazem parte do mundo imaginário da criança. A paciência tem que ser mesmo muito grande. Mas gostaria de deixar claro que eles não fazem por mal, é que eles se encontram em um processo permanente de desenvolvimento pessoal que deve e merece ser respeitado se não quisermos que elas se sintam desestimuladas e parem com a vontade de descobrir o mundo que as cerca. Além dessa fase ser muito importante para o aprendizado em geral dos pequenos. As respostas dessas perguntas devem ser claras e objetivas, sem muitas firulas. Devem seguir o raciocínio e a idade da criança, em uma linguagem adequada à idade dela, com um vocabulário de fácil compreensão. Isso vai facilitar as dúvidas que elas têm e clarear a cabecinha que está a mil por hora nessa fase.

Então é isso, pessoal! Paciência… muita paciência! E vamos contribuir para a formação dos nossos pequenos da melhor forma possível, incentivando-os a se tornarem pessoas melhores a cada dia e contribuindo para a sua formação pessoal.

Com amor,

Ana Maria Poças.

CRFa 6-7185

#mamãefonoaudióloga: atividades de sopro

Bom dia!

Este será o primeiro texto de dicas da série #mamãefonoaudióloga de atividades para crianças que nasceram com fissura labiopalatina. Hoje falaremos sobre os benefícios dos exercícios de sopro e por que devemos estimular as crianças a soprarem. Ah… não serve exclusivamente para as que nasceram com fissura, todas as crianças podem e devem fazer para estimular.

As crianças que nasceram com fissura labiopalatina têm uma dificuldade em conseguir soprar, ou seja, conduzir o ar somente para a cavidade oral. Se a criança não for operada ainda, o motivo delas não conseguirem conduzir o ar somente na boca se deve ao simples fato do palato (Céu da boca) estar em comunicação com a cavidade nasal (narinas). Porém, se já forem operadas pode ser que o palato ainda precise de uma forcinha para se movimentar ou a criança ainda precise de tomar consciência de quando e como o ar deve passar pela boca ou pelo nariz. O sopro é um dos exercícios que mais trabalha todos estes aspectos, seja o da musculatura velofaríngeo e da percepção e sensação tátil sinestésica.

Vamos às dicas de atividades que promovem o nosso objetivo geral de hoje?!

  1. Utilizando um canudinho e uma bolinha de isopor (ou outra bolinha leve que você tenha em casa) você pode pedir a criança que sopre a bolinha até o alvo final. No caso dessa foto abaixo o alvo foi um copo plástico pregado na beirada da mesa com um durex e o canudinho foi substituído por um cone de papelão. Esse é um modo com dificuldade de sopro mais avançado, depois que a criança já esteja conseguindo soprar com canudinho é legal ir dificultando. Outra opção dessa atividade é fazer caminhos a serem seguidos pela bolinha, ou seja, a criança vai guiando a bolinha com o sopro percorrendo por todo o trajeto.6a8e620c23464fff4f047852dfc9dbf6
  2. Faça barquinhos de papéis pequenos e encha uma bacia de água. Peça a criança que movimente os barquinhos com o sopro. Para aumentar a dificuldade você pode trocar os barquinhos de papel por barquinhos de rolhas de vinho ou de espuma.barquinhos5-j.iadosnegros
  3. Mais uma atividade com canudinho, mas desta vez precisa de tintas.  A criança já precisa saber soprar nesta atividade para não acontecer dela sugar ao invés de soprar a tinta. Utilizando uma folha em branco, peça que a criança molhe o canudinho na tinta (que você deverá ter diluído um pouquinho em água) e depois sopre na folha. Ou também pode-se colocar na folha um pouco de tinta e pedir que a criança espalhe a tinta com o sopro. As duas maneiras são bem legais! A criatividade nessa atividade é muito trabalhada e as crianças adoram ver os seus quadros sendo formados!straw-painting-instagram1
  4. Bolinhas de sabão. Você pode utilizar os fazedores de bolhas prontos que encontramos em muitas lojas de brinquedos ou fazer com um pedaço de aranhe, um canudinho mais grosso ou com uma garrafa pet cortada e fazer bolhas gigantes. A criançada adora! Raul ama fazer bolhas!mouse2
  5. Utilize instrumentos musicais como flautas e gaitas para estimular não somente o sopro como também a musicalização da criança. Olha esse instrumento de sopro feito com canudinhos, que máximo!8a0683cc95d3344c8ca8695ff8ecd7cf

Com amor,

Fga Ana Maria Poças

CRFa 6-7185

 Ps.: As imagens do texto foram tiradas do Pinterest.

Artes Marciais para crianças

Bom dia!

Desde que Raul completou 2 anos e 3 meses percebemos que ele já estava com uma necessidade de interação maior com outras crianças além de desenvolver algumas virtudes como a disciplina e o respeito. Como ainda achava cedo demais para colocá-lo em uma escola e ainda não tinha decidido nem qual método ele iniciaria sua vida escolar, optamos por uma atividade que ele tivesse que ir pelo menos duas vezes por semana, que tivesse convivência com outras crianças e que abordasse algumas dessas virtudes que buscamos para ele.  Também tivemos o cuidado de observar o que ele mais gostava e tinha interesse, porque a atividade para a criança tem que ser prazerosa. Ele ama luta, desenhos com Samurais e super-heróis, logo, pensamos em alguma arte marcial.

Fui em busca de escolas que aceitassem crianças pequenas com menos de 2 anos e meio e não foi uma tarefa fácil, a maioria das escolas aceitam crianças maiores de 4 anos. Consegui uma escola no bairro Ouro Preto em BH que se chama Full House. Foi lá que matriculamos Raulzito desde fevereiro desse ano e não pretendemos tirá-lo, a não ser por vontade dele. O professor tem um carinho tremendo com as crianças e uma percepção fantástica do que cada um dos seus alunos precisa. As aulas são super lúdicas e as crianças são super estimuladas. As aulas acontecem duas vezes por semana com duração de 40 a 50 minutos, dependendo do rendimento da turminha. Os benefícios que nós, pais do Raul buscamos com as artes marciais são: melhoria e desenvolvimento da coordenação motora, raciocínio, interação, respeito ao próximo, disciplina e autocontrole. Eu percebo que as aulas são muito mais que isso, ao meu olhar de terapeuta vejo o professor trabalhando também outras habilidades como lateralidade, coordenação motora grossa e fina, equilíbrio, cores, linguagem, audição, raciocínio, lógica, perseverança, concentração…  Se você sentar para assistir as aulas sai com uma folha de habilidades que foram trabalhadas.

As aulas do Raul ainda não são definidas em modalidades como Karatê, Taekwondo, Judô… A modalidade dele chama Introdução as Artes Marciais. O professor, mais pra frente, vai indicar com a ajuda do aluno em qual modalidade ele se encaixará melhor, ou seja, juntos decidirão se vai praticar  Judô, Taekwondo, Karatê etc. A torcida do pai é para que ele goste do karatê, já a minha é que viva nesse universo dos Samurais. Sou fã mesmo da filosofia e do estilo de vida que fazem parte desse universo. O meu desejo é que o Raul se torne um homem do bem, com respeito ao próximo, com autocontrole e disciplinado.

Com amor,

Ana Maria.

 

Dentes X Fissura Labiopalatina

Bom dia!

Desde que Raul nasceu eu fazia uma higiene oral nele bem minuciosa por causa da fissura. Após as mamadas eu enrolava uma gaze no dedo indicador e a embebia com água filtrada e limpava a língua e as narinas dele, fazia isso sempre para evitar a proliferação de bactérias. É legal deixar claro que esse costume que eu tinha deve ser feito em todos os bebês, não somente em bebês com fissuras. Os dentinhos foram nascendo e passei a escovar com escova e pasta dental. Há  um tempo atrás eu escrevi um post sobre Higiene Oral das crianças  explicando  o que usava e a importância de se fazer. Com já quase três anos completos, meu marido e eu achamos importante que a visita ao dentista acontecesse para nos dar um norte sobre o assunto e foi então que o levamos a sua primeira consulta.

Raul tem todos os dentes exceto um no lado que a fissura acometeu a gengiva e possui algumas manchinhas nos dentes próximos à fissura. Levamos ele ao consultório da minha amiga ortodontista Paloma Marques (que também já escreveu para gente aqui no blog sobre Cuidados orais na infância) e com experiência no assunto fissura labiopalatina. No primeiro momento Raul ficou meio ressabiado e assustado com todo o equipamento que havia na sala mas logo começou a brincar com a cadeira que subia e descia, com o jatinho de vento e com a água girando na pia ao lado e então ficou mais a vontade… risos. Deixou a tia Poma olhar a boquinha e fazer os procedimentos necessários para uma primeira visita ao dentista.

As minhas dúvidas quanto a dentição eram tantas que quase deixei a tia Poma louca…. risos. Ela me explicou que o acompanhamento é diferente em cada caso de pessoas que nasceram com fissura, que vai depender do tipo de alteração na arcada dentária se a pessoa tem mordida cruzada anterior e/ou posterior. O Raul tem mordida cruzada anterior e como no caso dele a alteração não é  muito grave, logo a conduta dela foi reavaliá-lo daqui a seis meses para reaplicação de flúor e acompanhamento do crescimemto da arcada dentária. Então, vamos continuar assim de seis em seis meses, até ele completar 4-5 anos onde começaremos a fazer o acompanhamento da dentição definitiva. Uma das minhas dúvidas era se o dentinho que falta realmente não iria nascer. A explicação que tive foi que não necessariamente todos os dentes que existem na boquinha dele nascerão novamente, da mesma forma não significa que o dente “faltoso” realmente não aparecerá na dentição permanente. Somente um raio x panorâmico para nos dizer isso, mas ele ainda é muito novinho para preocuparmos com isso. As manchinhas que os dentes ao redor da fissura têm não são nada demais, são somente má formações e que não atrapalham em nada, na verdade só são perceptíveis para uma mãe “fononeurótica” como eu… risos. Como a maioria das pessoas que nasceram com fissura labiopalatina, Raul precisará de usar aparelho ortodôntico e somente após a troca da dentição começará a usar, ou seja, temos mais uns bons anos pela frente sem precisar de por aparelho. Ahhh… sobre abrir a fissura que algumas pessoas falam que acontecem quando colocam aparelho, dúvida que eu também tinha, na verdade não abre, ela já está aberta e só fica mais evidenciada com a expansão do palato e alinhamento da arcada dentária. Como já havíamos conversado aqui no blog, a fissura de palato duro (região próxima a gengiva) não é fechada. Essa cirurgia  é feita junto com o enxerto ósseo para corrigir o espaço da fissura, preenchendo-o, mas somente depois da troca da dentição. Esse espaço ainda aberto não atrapalha em nada, nem na fonação. O do Raul por exemplo nem da pra ver direito. Claro e óbvio que cada caso é um caso e deverá ser estudado e avaliado. Estou descrevendo aqui o tratamento do Raulzito que tinha fissura labiopalatina completa unilateral à esquerda.

Mais uma vez, obrigada por tudo Poma!

Com amor e muita gratidão,

Ana Maria.